Agostinho afirma que maior incidência de casos vem das relações familiares

Número de casos em Irati vem diminuindo, com exceção do registro de terça-feira (18), com 14 confirmações oriundas do feriado de Dia dos Pais

Em razão de um surto de Covid-19 na Santa Casa de Irati, os leitos de UTI geral foram fechados, desde segunda-feira (17). O provedor da instituição, Ladislao Obrzut Neto, solicitou a possibilidade de um lockdown no município.

Em contrapartida, o vereador Rogério Kuhn, fez um pronunciamento na Câmara Municipal, defendendo a não existência do lockdown. O coordenador da Sala de Situação da Covid-19 de Irati, Agostinho Basso, explica porque não é preciso pensar em medidas mais severas neste momento, pois a contaminação dos profissionais da Saúde não significa o crescimento de casos em toda a cidade.

Os números de casos do Paraná, assim como de Irati, estão estáveis e com tendência a diminuir, apesar de na terça-feira (18), Irati ter registrado 14 casos em um dia. Conforme afirmou Agostinho, são reflexos do Dia dos Pais. “As famílias se reuniram, mesmo com as orientações a maioria acabou se encontrando. Porém, a média móvel do nosso município, calculada de acordo com os últimos sete dias, está em 5,8 significa que cada dia, em média, cinco pessoas apresentam resultado positivo para a Covid-19. Na semana anterior, do dia 03 ao dia 10 a média de Irati era de três pessoas por dia, e esses números não são considerados altos, pois há cidades parecidas com Irati que já estão com mais de dois mil casos”, disse Basso.

A taxa de mortalidade de Irati está em 2,5%, ou seja, a cada 100 pessoas contaminadas 2,5 falecem. Tudo é analisado, olhando para o estado do Paraná como um todo, das 22 regionais, Irati está atrás de 18, está quase por último na incidência do coronavírus. “Nós temos tudo para passar bem, e estamos passando bem, porque não temos metrô, não temos grandes terminais rodoviários, não temos shoppings, não temos grandes praças de alimentação, ou seja, temos que cuidar e estamos cuidando do trabalho, orientando a indústria e o comércio, e as pessoas estão bem orientadas sobre os cuidados de higiene. Pode-se dizer que cerca de 70% dos casos estão acontecendo intradomicílio, que é no almoço de família, na insistência em fazer aniversários, no churrasco do fim de semana, no grupo de amigos, com narguilé e bebidas”, informa o coordenador.

Estes fatos fizeram com que o Centro de Operações Especiais e Fiscalização (COEF), definisse que não há necessidade nenhuma, hoje, de pensar em lockdown, nem mesmo em um decreto mais restritivo. Segundo Agostinho, nos próximos dias pode haver um novo decreto, flexibilizando mais as medidas, pois em todo o Paraná, principalmente em Curitiba, muitos parques e praças foram liberados, porque os coeficientes estão indicando que é possível fazer isso.

A Santa Casa de Irati teve um surto de contaminação, em que mais de três profissionais da UTI confirmaram a doença. “Mas isso pode vim de um surto familiar e as instituições de saúde não estão fora deste risco. Então, vários profissionais estão afastados do hospital, da Secretaria de Saúde também temos 12 funcionários afastados, tivemos que interditar o ambulatório para fazer desinfecção. A gestão da Santa Casa decidiu bloquear alguns leitos de UTI, porque a UTI não precisa só de leitos, tem que ter equipamentos, médico intensivista e enfermagem de alta performance, não podemos colocar um técnico de enfermagem da secretaria na Santa Casa, porque não faz parte do dia a dia dele, estaria colocando em risco todos”, afirma Agostinho.

Ficou acordado entre as Prefeituras da 4a Regional de Saúde que o Consórcio Intermunicipal de Saúde vai tentar contratar profissionais para ajudar a Santa Casa, em caráter de urgência. Assim, os nove municípios colaboram, uma vez que, a Santa Casa atende a todos. “O surto que teve com os profissionais da Saúde não significa que a cidade inteira tem que parar”, ressalta Basso.

O número de testagem aumentou e o protocolo de testagem mudou, tendo qualquer sintoma gripal já deve fazer o teste. Na Unidade sentinela do Joaquim Zarpelon, estão sendo feitas 90 consultas por dia, só por sintomas gripais, destes são feitos de 50 a 60 PCRs por dia, mas em semanas normais três apresentam resultado positivo. “A média do Paraná é de 1742 casos por dia e a média de óbitos é de 32, apesar de estarmos abaixo da média precisamos ter consciência de que não são apenas números, são pessoas da família de alguém”, finaliza o enfermeiro.

Agostinho também informou que um protocolo de tratamento está sendo sugerido para os pacientes de Irati com Covid-19, fica a critério de cada um decidir se quer ou não usar tais medicamentos, visto que não há um medicamento certo ainda e nem uma vacina.