Cartola FC é um entretenimento usado na região

Aplicativo é usado para apostas e tem a participação de mulheres que mostram que podem entender e gostar de futebol, quebrando este tabu

O Cartola FC é um aplicativo criado pela Globo e acontece simultaneamente ao Campeonato Brasileiro, com nomes de jogadores e goleiros que disputam em um jogo verdadeiro. O objetivo do Cartola é criar um jogo com 11 jogadores fictícios e um técnico, começa com 100 cartoletas que são moedas virtuais, o apostador escolhe os jogadores que considera melhores.

A pontuação pode contar com prêmios, caso seja no campeonato nacional que a Globo faz, ou pode ser feita uma disputa interna entre amigos, apostando algum prêmio ou algum valor em dinheiro. Mas o objetivo central é o entretenimento, por isso, pode ser jogado sem nenhuma aposta ou premiação, apenas para descontrair.

Douglas Goy é um cartoleiro que criou a liga iratiense que está aberta a todos, não precisa solicitar a entrada, todos que desejarem podem participar. “Geralmente, se fala da liga iratiense de basquete, de futebol, então eu pensei, porque não ter a liga de cartola? Criei a liga aberta que não precisa ser convidado nem nada, é só entrar e participar, pois mesmo que não se conheçam, o Cartola disponibiliza o nome do time e do dono com a foto, e as pessoas podem interagir”, disse Douglas.

Ele conta que o objetivo é aproximar os iratienses, que podem até criar laços de amizade. “Criei a liga na primeira rodada, que foi dia 09 de agosto. Quem já participava do Cartola e entrar na liga de Irati não vai perder a pontuação, vai somar. Muitas pessoas gostam de futebol, e nesse momento, não está sendo possível jogar ou assistir presencialmente, é uma opção a mais para se divertir. Os cartoleiros podem criticar ou vibrar com os jogadores, igual fazemos na vida real”, completa Goy.

MULHERES TAMBÉM ENTENDEM DE FUTEBOL

Elizangela Perusseli é moradora de Rio Azul, ela conta sua experiência no aplicativo Cartola FC, em que participa de ligas familiares e defende a ousadia das mulheres que podem participar do que elas quiserem, quebrando o tabu de que futebol é para homens. “Meu marido e meu cunhado participavam e eu resolvi brincar também, somos cartoleiros free. Eu sou flamenguista, então sempre aposto nos jogadores do Flamengo. Este ano a brincadeira ficou mais séria, criamos a liga Comando Rio Azul FC, que pessoas da família participam e o último colocado paga cerveja aos que ficaram em primeiro lugar”, explica a jogadora.

Elizangela conta que alguns rapazes zombavam dela, mas ela sempre conseguiu pontuar bem e passou a entender mais de futebol. “Um dia fiquei em primeiro lugar, aí, falei para eles que eu sou mulher e, teoricamente, não entendo nada de futebol, mas estou ganhando de vocês. Busco pesquisar e entender mais, na Globo tem as dicas dos jogadores que pontuam mais e os que estão negativos, peguei gosto pelo jogo. Inclusive, vi na internet que agora tem o Minissaia FC, que é uma liga só de mulheres e eu sempre fui diferente, aquilo que diziam que mulheres não podem fazer eu sempre fazia, para mostrar que podemos. Aos poucos precisamos quebrar estes tabus, está mais do que na hora de parar de dividir o que é de homem e o que é de mulher, pois já provamos que somos capazes de fazer tudo que os homens fazem, se não igual, até melhor”, finaliza a cartoleira.