Feira do Pêssego inicia neste sábado (20)

Espaço é o principal ponto de venda dos produtores do fruto na cidade

Daniela Valenga com reportagem de Nilton Pabis

A tradicional Festa do Pêssego de Irati irá ocorrer de forma alternativa em 2021 por conta da pandemia. A partir deste sábado, 20 de novembro, nas segundas, quartas e sextas-feiras, a comercialização do fruto será Feira do Produtor Iratiense, até 22 de dezembro. Entre os dias 05 e 12, também haverá venda no Parque Aquático, em conjunto com a comercialização de outras frutas, vinho, artesanato e música ao vivo. O valor da venda do pêssego será de R$ 8 o kg ou 2kg por R$ 15.
No dia 05, será realizada a Missa em Ação de Graças aos fruticultores, às 10h, na Igreja Nossa Senhora do Perpétuo Socorro. Outra novidade deste ano é que o fruto também será vendido à margem da BR 277, junto ao Restaurante Maxim´s. O Secretário de Agropecuária, Abastecimento e Segurança Alimentar, Raimundo Gnatkowski, destaca que a rodovia é uma rota de viagem estadual, nacional e internacional, e que esta é uma oportunidade de mais pessoas conhecerem o fruto produzido na cidade.
Em Irati, são aproximadamente 30 produtores de pêssego. Neste ano, pelo menos 12 irão participar da Feira do Produtor, além das famílias que comercializam em outros pontos da cidade. Segundo Gnatkowski, a estimativa é que, até o fim do ano, sejam produzidas 300 toneladas de pêssego no município. O secretário convida a população para prestigiar a Feira e os produtores do município. “Muitas famílias dependem da venda do pêssego, que é uma fruta que demanda 12 meses de trabalho para ser colhida em apenas um momento do ano”, destaca.

Produção Familiar


O casal Paulo e Joana Dzerza, junto ao filho Geraldo, mantém um pomar de pêssego há 8 anos, próximo a comunidade de Guamirim. A família iniciou a plantação com 300 pés da variedade Chimarrita do fruto. Hoje, o pomar tem cerca de 600 pés, de variedades como Coral, PS e do próprio Chimarrita. A expectativa é que neste ano sejam produzidas 10 toneladas de pêssego na propriedade.
Geraldo explica que dependendo do ano um tipo de variedade produz mais ou menos, por conta do clima, por isso a importância de trabalhar com diferentes produtos. Paulo relata que neste ano, houve um atraso na maturação do fruto por conta da quantidade de chuva. Apesar disso, o agricultor destaca o sucesso da produção do fruto desde o início. “Todos os anos temos lucro. Em alguns deles foram menos, mas sempre cobrimos as despesas e tivemos lucro”, descreve.
A família ressalta que o principal ponto de venda da produção é a Festa do Pêssego, organizada pela prefeitura e destacam outros auxílios prestados pela administração municipal. “O agrônomo da prefeitura presta apoio a produção, além do suporte com a logística nas estradas, que estão bem conservadas, e, principalmente, divulga a nossa produção e venda”, aponta Geraldo.

“Muitas famílias dependem da venda do pêssego, que é uma fruta que demanda 12 meses de trabalho para ser colhida em apenas um momento do ano”. – Raimundo Gnatkowski.