Mais 50 famílias serão beneficiadas com casas populares em Rio Azul

Residências serão construídas na comunidade de Beira Linha

A tão sonhada casa própria vai acontecer para 50 famílias de Rio Azul. A Caixa Econômica Federal liberou este total para comercialização de novas habitações populares, e serão construídas na comunidade de Beira Linha, próximo a BR-153. Este é mais um investimento em habitações que vai melhorar a qualidade de vida das pessoas do município.

As obras devem iniciar após 30% das famílias tenham o cadastro aprovado pela Caixa, que faz a análise de crédito. Em seguida, deve demorar cerca de oito a 10 meses para conclusão. As pessoas interessadas em fazer o cadastro devem procurar a Secretaria de Assistência Social.

Serão 48 casas padrão e duas adaptadas, seja para pessoas com deficiências ou para idosos, também terá toda a infraestrutura no local como rede de esgoto, água, luz, e pavimentação. As casas serão diferentes das já construídas no antigo CTG, serão geminadas e com laje.

“A Secretaria de Assistência Social não mediu esforços para gente conseguir que fosse adequado e para que Rio Azul fosse contemplado com esses investimentos em habitação. Todo mundo sabe que o sonho de uma família é ter a casa própria, não é uma obra simples que faz de qualquer forma, por isso, nestes três anos e pouco, trabalhamos para investir e trazer moradias e habitações para as famílias de Rio Azul. Agora, a gente pode anunciar que mais 50 estão sendo liberadas. Esta é mais uma área do serviço público que a nossa gestão valorizou e conseguiu fomentar para trazer mais investimento”, comenta o prefeito, Rodrigo Solda.

COMO FAZER O CADASTRO

Esta primeira fase do programa é de cadastro das famílias. De acordo com o assistente administrativo e coordenador de habitação de Rio Azul, Luciano Sobczak, já existe um pré–cadastro, 42 famílias já procuraram a Secretaria com toda a documentação necessária, que é o CPF, RG, certidão de casamento (se tiver), comprovante de renda e residência.

Toda a documentação é enviada à Caixa que faz uma análise, para ver quem se enquadra no programa. A família precisa ter entre $ 1.300 a R$ 2.600 de renda per capta, e a entrada é conforme a renda e pode variar de R$ 7.600 a R$ 11 mil, quem avalia o valor é o banco, e também pode ser abatido pelo FGTS. As parcelas podem variar entre R$ 387 a R$ 408.

CASA POPULAR

Desde 2017, a Secretaria trabalha no programa das casas populares. Primeiro, foi feita a recuperação do projeto de 103 casas. Mais 48 foram entregues, e, além disso, 34 casas novas foram liberadas, que são diferentes das demais, por serem do programa Família Paranaense. Em 2018, foram entregues 48 casas populares rurais, dentro do Programa Nacional de Habitação Rural.  

A Secretaria também tem um programa municipal, desde 2018, para construção de casas, o Reconstruir, em que já fez seis casas, em modelo econômico, para famílias que estavam em situação de vulnerabilidade social, que são de madeiras e compensadas. “Lógico que eles merecem muito mais, mas foi o que a gente conseguiu fornecer no momento, e eles ficaram muito felizes com isso. São casas simples, mas o município investiu nisso, com recurso próprio. Fizemos um projeto de lei, foi aprovado pela Câmara e conseguimos desenvolver”, destaca o secretário da pasta. Rodolfo Solda.