Obra de abastecimento de água no Faxinal dos Paulas retorna em Rio Azul

Construção começou na metade do ano passado e deve ser concluída nos próximos meses

Depois de um período em que as obras públicas ficaram paradas, devido à pandemia causada pelo coronavírus, a Prefeitura de Rio Azul retornou, no dia seis de abril, a construção da rede de abastecimento de água na comunidade de Faxinal dos Paulas, que já está avançada.

A obra faz parte do pacote de melhorias que a Prefeitura vem fazendo na área rural, quase metade das 29 comunidades de Rio Azul já tem a rede de abastecimento. Este é o sexto aditivo que a administração firmou com a Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar), para levar água potável para todos. Ela está na fase de construção da rede de distribuição e a previsão é continuar conforme chegarem os materiais, até finalizar tudo e colocar o sistema em manutenção.

Em julho de 2019, foi iniciada a construção e conta com três parcerias para a execução: Sanepar, Prefeitura e comunidade. A Sanepar oferece as tubulações e os materiais necessários. A Prefeitura entra com a construção da casa de tratamento, base do reservatório, material das construções civil, hora máquina e retroescavadeira que servem para instalação da rede de distribuição de água. Os moradores trabalhando em parceria junto com rede de distribuição de água e demais sistemas.

O secretário Agricultura e Meio Ambiente, André Gembarowski, explica que as obras na área rural são mais complexas, por ser mais extensa. “É diferente da área urbana, porque as moradias são bem distantes umas das outras, então, quando vamos construir na área rural é preciso trabalhar com bastante detalhe a questão do relevo da região, que vai interferir se a água vai chegar ou não aos pontos. São vários fatores que influenciam na elaboração de um projeto para esta área”, disse.

Para o projeto a Prefeitura também firmou parceria com o programa Águas Paraná em que é possível perfurar poços artesianos para verificar a vazão e ver a quantidade e qualidade da água. “Quando tudo favorece é possível aliar a perfuração e a qualidade suficiente, a partir daí começa a ter o abastecimento de água visando atender toda a comunidade”, completa Gembarowski.

Além da questão do sistema de abastecimento de água, o projeto também prevê a construção da casa de tratamento para o sistema que já existia na localidade de Cachoeira dos Paulistas, pois o PCO que foi colocado saturou e o volume não é suficiente para o número de famílias da comunidade. Foi localizado outro poço e teve vazão e qualidade suficiente. Agora, a Prefeitura está finalizando a casa de tratamento para interligar ao sistema já existente e fazer melhorias naquele que já opera na comunidade.

OUTRAS MELHORIAS

A Prefeitura também trabalha para finalizar novos convênios para fazer outras melhorias nos sistemas que já existem e podem ter algum tipo de problema, ou que estão saturados, como é o caso da Vila Nova e Marumbi dos Elias.

“Das 29 comunidades que o município possui, cerca de metade já tem o sistema de água implantado atendendo os moradores. Alguns, por serem mais antigos, temos a necessidade de fazer adequações para que continuem funcionais”, disse André. “Estamos trabalhando e pedindo junto ao Governo do Estado, através do Águas Paraná, e estamos na fila de espera para conseguir a perfuração em mais poços artesianos para as demais comunidades”, conclui.

A ideia das parcerias feitas por Rio Azul, junto da Sanepar e Funasa, é levar água potável e tratada às famílias rurais e, com isso, melhorar a qualidade de vida das pessoas.

ESTIAGEM

Neste momento, toda a região vive a questão da estiagem, e André, por fazer parte também da Defesa Civil, entrará com uma Informação de Desastre (FIDE), para comunicar a situação crítica que o município vive. “Vai ser submetida aos governos, federal e estadual, e caso julguem prudente vamos achar formas e meios de estar sanando a falta de água nas comunidades rurais. A nossa ação, neste momento, é finalizar esta situação e aguardar o parecer da Defesa Civil para ver se entendem como pertinente este cadastro e nos trazem meios e mecanismos para sanar, temporariamente, essa crise hídrica que estamos vivendo”, finaliza o secretário.