Produtores de Rio Azul têm perda de 30% do plantio de soja

Do total da safra, essa quantidade ficou comprometida devido aos excessos de chuvas no início do ano

Jaqueline Lopes

As precipitações que acontecem no mês de março prejudicaram os produtores de Rio Azul. Em um levantamento feito pela Secretaria de Agricultura, as áreas do plantio da soja tiveram prejuízo em cerca de 30%, atingindo, aproximadamente, 350 produtores do município.

As áreas atingidas do plantio tiveram comprometimento pela impossibilidade de colheita ou pela qualidade do grão. A soja foi a mais atingida, mas também houve prejuízo nas safras de milho e feijão safrinha, em uma quantidade menor, mas que também gerou preocupação para os agricultores de Rio Azul.

De acordo com as informações da Secretaria de Agricultura e Meio Ambiente de Rio Azul, as chuvas acima da média para o período, principalmente no mês de março, em que ocorreram mais que o dobro do que o esperado para o período, com agravante pela alta umidade relativa do ar, foi o que comprometeu a qualidade final dos produtos.

Além disso, com as precipitações, formaram-se atoleiros nas estradas rurais o que dificultou a trafegabilidade. Também, pontes e bueiros foram danificados, dificultando acesso dos caminhões e máquinas nas lavouras, isso também afetou os agricultores que precisaram passar pelas vias para o escoamento da safra.

Alguns produtores tiveram dificuldades para colher, os que conseguiram, muitas vezes, o grão estava comprometido pela qualidade, com uma porcentagem alta de “ardidos”, que brotaram da alta umidade. Devido a essa perda, houve queda na comercialização do produto, utilizado para fins menos nobres como “ração animal”, além da perda direta das lavouras que nem foram colhidas.

Barra da Cachoeira foi um dos locais atingidos pelas chuvas em Rio Azul – Foto: Secretaria de Rio Azul

Sandro Girardi, comprador de soja de Rio Azul, disse que todo esse acontecimento inesperado resultou em descontos nos preços que variaram de 10 a 70%. “Isso aconteceu devido à maioria do plantio ter sido concentrado em uma única variedade e com excesso de chuva na hora da colheita houve muita perda de soja por qualidade. Alguns produtores deixaram áreas sem colher”, observa. Com relação a soja, que apresentou mais de 50 % de avariados, para o produtor não ficar totalmente no prejuízo, eles adquiriram o produto para transformarmos em ração .

Devido toda essa situação, a prefeitura decretou Situação de Emergência, através do documento nº 97/2022, com reconhecimento estadual sob decreto nº 10.895. Assim, os produtores puderam ajustar as dividas. “Nós prestamos auxilio para a renegociação das dividas, pois tivemos grupos de produtores que perderam tudo, outros perderam cerca de 50%, 30%, principalmente em soja e feijão. Teve regiões que a perda foi grande, mas quem conseguiu colher, colheu bem”, disse o secretário da pasta, Airton Moretto.

Apesar da grande perda, a produção foi boa, porém muitos produtores tiveram prejuízos para a nova safra.“A produção foi boa aqui em Rio Azul, mas muitos produtores não tiveram lucro, pois com a nova safra e custo de produção elevado, não tiveram aquela folga para produzir. Agora, ficarão em uma situação difícil, por isso auxiliamos nesse quesito para renegociar as dívidas”, comenta Moretto.

Agora, a Prefeitura está há cerca de um mês no trecho mais afetado, próximo a Inácio Martins, para recuperação das estradas que foram danificadas com os excessos de chuvas, para que os produtores possam voltar o quanto antes e retornar com o plantio e colheita.