Projeto Leitura no Ninho entrega 3.500 kits literários para escolas e CMEIS

O investimento na ação foi de mais de R$700 mil

Redação

O idealizador do Projeto Leitura no Ninho, e também secretário de Educação e vice-prefeito de Imbituva, Zaqueu Bobato, juntamente com o prefeito Celso Kubaski e a equipe da pasta, realizaram a entrega de 3.500 kits de obras literárias para alunos de escolas e CMEIS da cidade. Cada aluno ganhou um kit. As entregas foram realizadas nos períodos de 09/09 a 13/09. A iniciativa tem como objetivo incentivar e despertar o gosto pela leitura nas diferentes faixas etárias e teve um investimento total de R$ 722.831,22.

O Projeto se deu pelo esforço do secretário Zaqueu e foi desenvolvido pela equipe técnica e pedagógica da Secretaria de Educação e Cultura. Alunos na educação infantil e ensino fundamental (1º, 2º, 3º, 4º e 5º anos), educação Especial e EJA esperaram a entrega do projeto com um ambiente acolhedor, com espaços organizados para o momento. Instituições urbanas e rurais receberam os livros.

De acordo com Bobato, o Projeto Leitura no Ninho surgiu no momento em que todas as crianças estavam no ensino remoto e, como a participação da família se intensificou na mediação das atividades, a ideia de envolver um número significativo de leitores foi pensada.

O secretário descreve que quando os alunos receberam os livros, ao abrir a sacola, ficaram encantados e surpresos com o que encontraram. “Foi visível a alegria das crianças nas suas expressões. A interação com os livros literários foi imediata. Ficaram muito empolgadas”, destaca.

Para Zaqueu, o projeto é importante para fomentar a leitura e a produção de texto, além de oportunizar o acesso às obras literárias de qualidade e construir um acervo individual. “Também, incentiva a relação casa-escola com a leitura familiar e disponibiliza aos alunos e às famílias livros infantis com elementos gráficos, imagéticos, tridimensionais e sensitivos bem elaborados e explorados para que desenvolvam o hábito de manusear livros e ler”, afirma.

Bobato aponta que para as crianças que ainda não estão na fase de alfabetização, os kits despertam o gosto pela leitura de imagens, bem como, o desenvolvimento da psicomotricidade, por meio, dos livros interativos e sensoriais.

O título do projeto foi pensado na interação da escola com a família nesse momento de pandemia. “Ninho significa família, o lugar de aconchego, de cuidado e de amor. Afinal, sabemos da grande relevância das experiências leitoras e dos momentos de contação de história no âmbito familiar”, diz Zaqueu.

A partir do projeto geral, o qual foi disponibilizado pela Secretaria de Educação e Cultura, cada instituição ficará responsável por desenvolver subprojetos, visando a realidade de cada escola/Cmei. O plano de ação desenvolvido por cada entidade contará com o envolvimento de todas as turmas, de acordo com a faixa etária. E, com a participação da família.