Proposta de turismo religioso prevê Rota da Medalha
Milagrosa entre Irati e Prudentópolis

Ideia é que seja feito o primeiro roteiro ainda este ano, em novembro, dia 27, em que é comemorado o Dia de Nossa Senhora das Graças

Jaqueline Lopes

A Terra dos Pinheirais deu mais um passo importante para o turismo religioso, que será implantado em toda a região em breve, pois tem uma proposta que prevê a Rota da Medalha Milagrosa, que sairá da Colina Nossa Senhora das Graças, em Irati, até o Santuário da mesma Santa, em Prudentópolis.
A ideia inicial é que aconteça no dia de Nossa Senhora das Graças, em 27 de novembro, mas ainda será estudada pelas entidades e comunidades competentes. Este será um experimento para explorar o turismo religioso que é um potencial da região.
De acordo com uma pesquisa feita pelo Paraná Turismo, em 2019, a Terra dos Pinheirais é a primeira das 14 regiões do estado em atrativos religiosos, e a quinta em locais turísticos, isso traz um potencial forte para os municípios em expor em rotas para os turistas.

“ Quando você vai a um local, faz um mergulho na historia, não é somente uma imagem, por trás dela tem uma memória, e são estas narrativas que queremos contar para as pessoas” Estela Mara Rosa

Segundo a presidente da Agência de Desenvolvimento das Regiões Sul e Centro Sul do Estado do PR (ADECSUL), Estela Mara Rosa, este levantamento de dados ajuda a fortalecer esse tipo de turismo na região. “É muito claro a nossa opção pelo turismo religioso, a nossa vocação. Prudentópolis já é referência no turismo religioso na região, e nós, em função da regionalização, só temos que colocar mais opções para o turista para conhecer e preparar esses outros municípios para a recepção desse turista e mostrar tudo que nós temos de fato, com qualidade e exigência no atendimento”, disse a presidente.
A rota que desejam implantar foi feita em 2020 pela moradora de Prudentópolis Célia Malinoski. No dia 08 de novembro, Celia, a família e os amigos vieram a Irati em romaria, até a Colina de Nossa Senhora das Graças, para agradecer a Santa por uma graça recebida. Outro atrativo para os turistas, que ficará em Irati, na igreja São Miguel, é uma relíquia do São João Paulo II.
O prefeito de Prudentópolis, Osnei Stadler, comenta que o turismo sozinho não vai para frente, e é importante reunir os municípios da Amcespar para um maior desenvolvimento regional. “Estivemos em Curitiba esta semana, justamente, fazendo um compilado da região para desenvolver, e a questão do turismo religioso, com essa primeira rota, vem agregar para Prudentópolis e Irati e vai se estender a toda a região que também tem turismo religioso”, comenta.


Para o prefeito de Irati, esta ideia “vai proporcionar o desenvolvimento no turismo. Temos que explorar, porque, em Irati e outras cidades, temos a oportunidade das pessoas conhecerem as igrejas, as etnias, assembléias. Essa rota vai solidificar e será um excelente trajeto. Além disso, desencadeia uma corrente produtiva, como a parte econômica. Isso vai se desenvolvendo e vai gerar emprego e renda. Precisamos fortalecer isso. A Prefeitura vai apoiar em todos os sentidos”.
A secretária de Turismo de Prudentópolis, Cristiane Guimarães Boiko Rossetim, diz que é importante o crescimento de todos os municípios juntos, pois a cidade já é referência no turismo religioso, e é a Capital da Oração, e isso vai fortalecer ainda mais. “Temos o nosso turismo religioso regional que é desenvolvido com vários municípios e nós fortalecemos o que a região tem em comum. Essa formatação de roteiros regionais são importantes e fortalecem toda a região que é rica em cultura e turismo”, observa.
O Conselho Municipal de Turismo de Irati atua de forma deliberativa e consultiva e estão auxiliando no segmento religioso. Para a presidente do COMTUR, Vanessa Alberton, ter o turismo religioso acontecendo de forma ordenada na região é algo que só tem a agregar para a comunidade, e não apenas no sentido econômico, mas na preservação das tradições e na disseminação do que tem em Irati. “As missas rezadas em ucraniano que não se vê em todo lugar, as nossas igrejas que são únicas e belas, além de incentivar que a fé seja renovada e que esse hábito religioso não se perca na correria do dia a dia. Acredito que um segmento puxa o outro. Tendo o turismo religioso acontecendo na região, outros segmentos podem receber esse mesmo turista”, comenta.

PROPOSTA DE TURISMO


A proposta com a rota da Medalha Milagrosa é o alvo da aparição Mariana, no contexto de Catarina Labouré, que ocorreu em Paris, em 1830, e foi através desse fenômeno que gerou a imagem na colina de Irati e do santuário em Prudentópolis.
“Muito mais que atrativos, as pessoas também querem conhecer as histórias desses locais, muitos não sabem o que significou essa aparição Mariana. A nossa proposta é mais profunda, que seja uma imersão dentro do fato histórico do que aconteceu”, comenta Estela.
Assim, além do turista conhecer o local, ele também poderá saber da história por trás daquele espaço. Esta primeira rota será um experimento, que envolve, inicialmente, as igrejas dos dois municípios. E, em seguida, depois de experimentado e aprovado, os envolvidos no trabalho passarão o roteiro para as operados que se interessarem em trazer turistas para a região.

REUNIÃO


Assim, com a rota da Medalha Milagrosa, os peregrinos que fizeram a visita também poderão conhecer as igrejas de ambos os municípios. Para isso, houve uma reunião em que foi comentado sobre o assunto para os párocos de Irati.
Padre Dionísio Mazur, pároco da Igreja Imaculado Coração de Maria, participou da reunião e diz que é importante o turismo religioso na região, principalmente, para expor as igrejas, para que as pessoas de fora conheçam as histórias e como funciona cada uma delas.
Na oportunidade, o pároco sugeriu que cada igreja prepare um folheto para o turista saber um pouco da história da paróquia. Mazur cita como exemplo a própria igreja de Irati, pois muitos confundem, ela é ucraniana do rito oriental católica. “As nossas igrejas pelo estilo se destacam muito e é importante o turista ter acesso e conhecer, não somente a beleza, mas como funciona, a história e a tradição, saber distinguir a religiosidade”, disse o padre.
Outra discussão também foi sobre o entendimento necessário para que aconteçam essas rotas, e na preparação de estrutura e formação de pessoas que saibam contar as histórias propostas. Agora, as entidades envolvidas estão em buscas de pessoas que possam colaborar neste quesito.