Prudentópolis incentiva reinserção de detentos através de atividades laborativas

Iniciativa estimula a participação de reclusos a partir da colaboração na construção e manutenção de obras públicas

Amanda Borges

A prefeitura de Prudentópolis está realizando um projeto que visa a reinserção de detentos através de atividades laborativas em obras públicas. Atualmente, nove presos participam, trabalhando 8h por dia e recebendo 75% de um salário mínimo para o desempenho das funções. Além disso, três dias trabalhados equivalem à um dia para remissão de pena.
A iniciativa foi possível graças à um convênio assinado no mês de outubro em parceria com Secretaria de Estado de Segurança Pública (SESP), por intermédio do Departamento Penitenciário Nacional (DEPEN), e o Conselho da Comunidade. “Esse convênio feito entre a prefeitura municipal de Prudentópolis e o DEPEN vem gerar possibilidade real de um despertar, um novo projeto de vida dos apenados, visando uma capacitação, uma qualificação profissional. Mas, principalmente, estimular a convivência social e o retorno à sociedade”, conta o Secretário de Administração da prefeitura, Emerson Rech.
Os presos têm colaborado para realizar melhorias na pintura, jardinagem, construção civil, reformas e demais atividades de infraestrutura dos prédios públicos do município. Rafael Andres Barbosa, Diretor da DEPEN, diz que “onde houver demanda, eles serão encaminhados. Tem um encarregado da prefeitura que retira os presos e os devolve à cadeia todas as tardes”, compartilha Rafael.

“Trabalham na Secretaria de Assistência Social, nas escolas, onde a prefeitura tem demanda de mão de obra os presos são deslocados, diariamente” – Rafael Andres Barbosa

Além disso, Barbosa conta que o convênio assinado possibilita a inclusão de até 40 detentos no projeto e, por conta disso, a prefeitura já tem planejado a inserção de mais pessoas em janeiro de 2022. Como estímulo à participação, a remuneração recebida pelo colaborador é dividida entre: fundo penitenciário e fins particulares, com a possibilidade de até 80% do valor ser destinado à família. De acordo com o diretor, o objetivo é que o preso possa “se sentir novamente incluído na sociedade para ter o retorno o tão logo possível”.
“A ressocialização é uma forma humana de fazer com que esses presos paguem pelo crime cometido e voltem a conviver em sociedade, porque eles vão voltar um dia. É o que a gente sempre prega: essas pessoas vão retornar ao convívio, e que tipo de ser humano a gente gostaria que voltasse à sociedade?”, pontua Hugo, diretor do Conselho da Comunidade.
Além disso, Hugo diz “Os frutos são fantásticos, porque a nossa intenção é que esses presos não voltem mais a delinquir. Essa que é a grande busca do conselho da comunidade: a ressocialização desses reeducandos. Para que eles possam amanhã retornar à sociedade sabendo dos erros que cometeram, pagando pelos erros que cometeram, mas com a consciência que jamais voltarão a cometer”.