Reunião dos prefeitos discute transporte escolar no retorno das aulas estaduais

Administradores da Amcespar estiveram reunidos com a AMCG e Fundapar para colocar as reivindicações sobre a volta às aulas

Na quarta-feira (10), aconteceu uma reunião em Castro com os prefeitos da Associação dos Municípios do Centro Sul do Paraná (Amcespar) e a Associação dos Municípios dos Campos Gerais (AMCG), que apresentaram ao Instituto Paranaense de Desenvolvimento Educacional (Fundepar) as reivindicações sobre o transporte escolar no retorno das aulas estaduais.

De acordo com o discurso dos prefeitos, os problemas são os mesmos, em relação ao custo do transporte escolar que com a volta das aulas presenciais retorna para o custo dos municípios, que ainda não tem data de volta às aulas nas escolas.

Diante do que foi apresentado, o presidente do Fundepar, Alessandro Oliveira, disse que irá levar as demandas ao Governo do Estado e que já está acertado que será antecipado o primeiro repasse aos municípios, e deve acontecer nesta sexta-feira (12). Também, será feito um estudo de como aumentar a transferência do repasse aos municípios e tentar amenizar essa situação para os prefeitos.

O presidente avalia a reunião e diz que assumiu o compromisso de juntos encontrarem uma solução. “Ouvi bem e vou levar essa demanda para a Secretaria e para o Governador. Quero deixar claro que o Fundepar está à disposição e comprometido para ajudar no que for possível para que essa volta às aulas, tão importante para os alunos e crianças, seja da melhor forma possível”, comenta.

A reunião foi organizada pela AMCG e o presidente da Associação e prefeito de Castro, Moacyr Fadel, diz que foi importante para mostrar as reivindicações dos prefeitos e repassar ao Governo. “Essa união com associações só fortalece os nossos municípios. A pauta foi muito interessante, várias reivindicações, um bom relacionamento com o estado e sabemos das discussões que fizemos para chegar ao resultado que é o que nos interessa: uma melhor qualidade de vida a nossa população, do ensino ao povo, do estado e dos nossos municípios, principalmente os menores, que sofrem com dificuldade do transporte escolar e na manutenção das estradas. Esta união das associações como a Amcespar e AMCG pode trazer bons resultados ao povo”, disse.

O presidente da Amcespar e prefeito de Inácio Martins, Junior Benato, participou da reunião junto de outros prefeitos e diz que acha que a Associação foi a primeira a provocar o Governo do Estado para este problema, através do parlamento e diretamente na Casa Civil. “Quem pode mudar este cenário é o parlamento, a representatividade municipalista e a Casa Civil diretamente ligada Governo do Estado junto da Secretaria da Educação”, observa.

Benato ainda explica que em Inácio Martins, por exemplo, existe o subfinanciamneto do transporte escolar em cerca de R$ 1 milhão que é custeio do Governo Federal e uma parte do Governo do Estado, o restante gasto, que tem um total de R$ 2 milhões, é de responsabilidade do município. A maior parte é paga pela administração municipal. “Queremos ter a responsabilidade de transportar e pagar pelos nossos alunos, e o estado que aporte com dinheiro aquela proporcionalidade dos seus alunos e dos colégios cívico-militares”, enfatiza Junior.

O retorno das aulas municipais e estaduais nos municípios da Amcespar acontece apenas de forma remota. Ainda será analisado quando retornará no modelo presencial na rede municipal. Já do Estado, o governador informou que a volta acontece no dia 1º de março, em formato semipresencial.