Rio Azul tem projeto pioneiro para controle populacional de animais

Parceria com o Centro Universitário Campo Real de Guarapuava visa a castração de cadelas do município

Jaqueline Lopes

A Prefeitura de Rio Azul agora tem um projeto pioneiro na região para controle da população animal do município, que surgiu de uma parceria com o Centro Universitário Campo Real, de Guarapuava, em que visa castrações de cadelas de famílias em situação de vulnerabilidade social.
A ideia surgiu do morador do município e estudante de Medicina Veterinária da Campo Real, Pedro Ramon Moretto. Com um projeto de extensão, uma matéria da faculdade de Moretto, ele conversou com o prefeito Leandro Jasinski que agilizou para realizar as castrações. Até o momento, mais de 50 cadelas já foram castradas. No total, 100 fêmeas farão a cirurgia.

“A gente procura atender todas as áreas. E para nós, é muito gratificante poder realizar no primeiro ano de mandato este projeto, e queremos continuar. Ano que vem teremos mais novidades, e vamos sempre cumprindo com tudo que prometemos para trazer o melhor para Rio Azul” Leandro Jasinski

Com a iniciativa, o custo é mais baixo para a administração, cerca de R$ 110 a $150 por animal castrado. A Prefeitura disponibiliza um caminhão que leva as cadelas até Guarapuava, no departamento de Veterinária da Campo Real. Após as castrações, elas ficam lá por alguns dias no pós-operatório, e voltam para Rio Azul, depois, uma equipe retira os pontos dos animais. Dez cadelas são encaminhadas para a cirurgia por semana.
O projeto envolve o programa do município Rio Patas, a Câmara de Vereadores, pela iniciativa da vereadora Rita Boni e Prefeitura, através das Secretarias de Agricultura e Meio Ambiente e Assistência Social.
O prefeito Leandro Jasinski visitou as instalações doCentro Universitário, onde são feitas as cirurgias e comentou sobre projeto inédito na região. “Tenho certeza que pode servir de exemplo para outros municípios. Tem um custo baixíssimo comparado ao fazer uma cirurgia no particular. E realizar o controle populacional dos cães é bom para o município. E vemos que as cadelas são muito bem tratadas, há um cuidado com todas. Além de contribuir na formação da equipe, que realiza um excelente trabalho, é uma promessa de campanha nossa, que está sendo cumprida, devido à grande necessidade do município”, comenta.
O secretário de Agricultura e Meio Ambiente, Airton Moretto, diz que este projeto era uma necessidade antiga do município, pois muitos problemas eram relatados pela população em relação aos animais de rua, como envenenamento, atropelamentos, entre outros. Agora, foi encontrada uma solução. “Em consenso, chegamos a esse projeto e colocamos em prática. A gente percebe que a população está muito contente com esse trabalho e, juntamente com a castração, também temos a adoção de cachorros, que ajuda no controle”, comenta.
Para Pedro, este trabalho é de muito aprendizado, pois aperfeiçoa técnicas, conhece novos procedimentos, além de colaborar com o município que cresceu. “Este projeto está ótimo. Neste período final do curso é fundamental sair daqui com essa experiência. Adquiri muita coisa, e creio que vou sair muito mais preparado pra o mercado de trabalho. Também, ajudando nas questões públicas e sociais do meu município, sempre prezando pelo bem estar animal”, destaca o estudante.

“A medicina veterinária não é só para os animais, mas também ajuda a população humana. Se cada Prefeitura fizer um pouco sua ação, assim como a de Rio Azul, teremos um controle populacional muito grande de animais e vai erradicar as doenças que são transmitidas por eles” Professora Patrícia Diana Schwarz

Toda a cirurgia é acompanhada pelas professoras da disciplina, Ana e Patrícia, que dão suporte aos alunos. Para a prof. Patrícia Diana Schwarz, esta é uma experiência também para o Centro Universitário. “Para nós, foi muito gratificante ver que esse grupo se prontificou a trabalhar com a população do local onde eles moram. É importante porque, além de deixá-los praticarem, tiveram um contato maior com a Prefeitura, e estão ajudando a população humana e dos animais da cidade. É um projeto pioneiro e a faculdade ficou muito feliz em poder participar”, comenta.
De acordo com a professora, a castração ajuda no controle da população animal, pois evita que haja acasalamentos indesejados, o aumento populacional, doenças, pois muitas pessoas aplicam anticoncepcionais nos animais o que pode gerar tumores, infecções uterinas, entre outras. Em várias cirurgias que fizeram, encontraram cadelas com inícios dessas doenças, que pôde ser controlado. Outro benefício é a diminuição da incidência de raivas, que são doenças zoonóticas, que podem levar problemas a população humana, pois são transmitidas dos animais pros humanos.
O Centro Universitário Campo Real está aberto para que outras prefeituras possam fazer convênios em projetos como este ou semelhantes.