José Kiatkoski Filho

Trabalhador, autodidata, de vida social agitada, apaixonado pelo futebol e pelas artes

Leo Barroso e família Kiatkoski

José Kiatkoski Filho nasceu em Guajuvira (hoje distrito de Araucária), no Paraná, no dia 21 de janeiro de 1914. Era filho de Maria Mirkoski e José Kiatkoski, que passaram a residir em Riozinho, onde tinham terras. Conhecido pelos amigos pelo apelido de “Seu Iujo”, José casou-se com Maria Izabel Gonçalves, montando casa no bairro Engenheiro Gutierrez, onde tiveram os primeiros filhos: Álvaro, Clair e Marli.

Em parceria com seu sogro, Salvador Gonçalves, mudou-se para a localidade de Xaxim, para trabalhar abrindo estradas no local hoje conhecido como Serra da Esperança, nas proximidades do “Morro do Chapéu”. Lá teve mais duas filhas, Elvira e Joana. Mais tarde, novamente morando em Gutierrez, José e Maria Izabel aumentaram a família, tendo mais duas meninas, Neide e Regina. Em 1957, para facilitar os estudos dos filhos, mudou-se para o Centro de Irati, onde nasceu a última filha, Gisela.

José e Maria Izabel oficializaram a união em 25 de outubro de 1941 | Foto: Arquivo Familiar

Além de construtor de estradas, foi proprietário de um armazém na Rua Coronel Saboia, e atuava como eletricista, carpinteiro, pintor e pedreiro: “construía uma casa desde o alicerce até o acabamento”, lembram as filhas. Trabalhou também na Companhia Paranaense de Obras e Melhoramentos, em Irati, tendo grande amizade com seu colega Almir Caggiano. Teve passagem ainda pela Junta de Alistamento Militar. Autodidata, fez curso de contabilidade e de datilografia por correspondência.

Apaixonado pelo futebol, foi árbitro pela Liga Regional de Futebol de Irati e cofundador do Racing Clube de Futebol de Salão, além de acompanhar seu único filho homem, Álvaro – um grande goleiro – nos jogos da Liga Iratiense de Desportos Amadores (LIDA), que mantinha atividades em local próximo a onde hoje se localiza a Feira do Produtor Iratiense.

José atuou como árbitro pela Liga Regional de Futebol de Irati | Foto: Arquivo Familiar

Animadíssimo e de vida social agitada, foi sócio do Clube Polonês (Sociedade Beneficente Cultural Iratiense – SBCI) e do Clube Operário (Sociedade União Operária Beneficente e Recreativa – SUOBRI), participando de festas e bailes. Amante do cinema e das artes, foi assíduo frequentador do Cine Theatro Central de Irati e de circos itinerantes que passavam pelo município. Era ouvinte da Rádio Nacional, pela qual deliciava-se escutando os programas de humor. Romântico assumido, apreciava canções de Nelson Gonçalves e Francisco Alves.

Casa feita por José em 1950 segue de pé em Engenheiro Gutierrez | Foto: Arquivo Familiar

Durante a gestão do ex-prefeito Ildefonso Zanetti, que era o médico da família, foi convidado a trabalhar na Prefeitura Municipal de Irati, para coordenar serviços a serem executados em estradas rurais, dada sua vasta experiência na área. Ao longo deste período, veio a falecer prematuramente no dia 14 de maio de 1964, aos 50 anos. Tem hoje uma rua com seu nome, no bairro Vila Nova, a qual foi nomeada na gestão do ex-prefeito Sérgio Stoklos, conforme a Lei Municipal nº 2179/2004.

O presente texto biográfico foi escrito por um dos bisnetos de José Kiatkoski Filho, Leonardo Schenato Barroso, com informações apuradas pelas filhas de José que residem em Irati.