João Teixeira Soares, o homem das estradas de ferro

Parceiro do Barão de Mauá e um dos precursores da infraestrutura no Brasil, engenheiro e empresário, ajudou a construir mais de 10 mil quilômetros de ferrovias no país

Juraci Barbosa Sobrinho

Semanas atrás trouxe aqui um relato sobre o engenheiro de sistemas João Carlos Teixeira Soares e fui indagado sobre seu tataravô, João Teixeira Soares, brasileiro brilhante que se ombreou com o Barão de Mauá no desenvolvimento do Brasil no final do Império e início da República.

Teixeira Soares nasceu em 1848 em Formiga (MG) e faleceu em 1927. Grande empresário, engenheiro e construtor de estradas de ferro, foi sócio brasileiro da empresa belga Compagnie Auxiliaire de Chemins de Fer au Brésil e participou de diversos grandes projetos de engenharia. Construiu mais de 10 mil quilômetros de estrada de ferro, tendo estado à frente da construção da Estrada de Ferro Curitiba Paranaguá, aos 34 anos, e da construção da Estrada de Ferro do Corcovado, no Rio de Janeiro, a primeira ferrovia eletrificada do Brasil, e Vitória-Minas, um corredor de exportação de minério.

Além de incentivar a industrialização, apoiou a criação de bancos de crédito agrícola, sistema consolidado pelas cooperativas de crédito e bancos de desenvolvimento.

À época, sem legislação que protegesse, Teixeira Soares premiava os trabalhadores pela produtividade quando houvesse antecipação do prazo das obras. Excluiu empreiteiros e os “gatos” — responsáveis por arregimentar a mão-de-obra. Criou também uma empresa para explorar o transporte aéreo de passageiros e serviço postal.

A atuação destacada deste brasileiro repercutiu internacionalmente. O primeiro-ministro francês, senador George Clemenceau, o referenciava.

O Imperador D.Pedro II chegou a lhe oferecer um título de nobreza, que foi recusado, por ser republicano. Todavia, recebeu a Comenda Imperial Ordem da Rosa, extinta quando instaurada a República. Foi agraciado como Cavaleiro da Legião de Honra e de São Leopoldo da Bélgica e Comendador da Coroa da Bélgica.

Uma bela homenagem ao Dr. Teixeira Soares, foi dada pelos primeiros moradores do povoado denominado Boa Vista, depois Valinhos, na região de Ponta Grossa, que ali chegaram em 1890, sabedores que ali haveria uma estação da estrada de ferro São Paulo – Rio Grande. Inaugurada em 1º de janeiro de 1890, recebeu o nome de Estação Teixeira Soares. O povoado também recebeu seu nome, e em 26/03/1917 foi transformado em município de Teixeira Soares.