Rinite alérgica: entenda o que é, quais os sintomas, as causas e o tratamento

A rinite alérgica faz parte das doenças alérgicas como a asma ou o eczema atópico, que em conjunto afetam cerca de 20% da população mundial

Dr. Bruno L. Alencar
Otorrinolaringologista
CRM 18299 RQE 13511

A rinite alérgica é uma doença atópica que se caracteriza por uma inflamação da mucosa nasal (do nariz), da qual resultam sintomas como a obstrução nasal “nariz entupido”, prurido ou “comichão no nariz”, espirros, entre outros, como veremos adiante com maior detalhe.

Uma alergia é um conjunto de condições médicas provocadas pela hipersensibilidade do nosso sistema imunitário (nosso sistema de defesa) a algumas substâncias. Estas substâncias, como por exemplo os pólenes, ácaros, etc, habitualmente, causam poucos ou nenhuns problemas à maioria das pessoas.

As Rinites alérgicas podem ser classificadas quanto à sua periodicidade em:

Rinite sazonal – A rinite alérgica sazonal conhecida como “febre dos fenos” é causada por alergia aos grãos de pólen.

Rinite perenal – A rinite perenal como o próprio nome indica ocorre durante todo o ano (de uma forma perene), sendo a alergia aos ácaros a principal causa sazonal.

A rinite alérgica afeta ambos os sexos (homens e mulheres) de igual forma, sendo a sua prevalência mais elevada na adolescência.

Sinais e sintomas na rinite alérgica

Os sinais e sintomas de rinite alérgica são os seguintes:

  • Obstrução nasal (“nariz entupido”);
  • Rinorreia – secundária à hipersecreção glandular e ao transudado inflamatório;
  • Espirros – pelos reflexos nervosos devidos à irritação inflamatória;
  • Prurido (comichão no nariz);
  • Outros sintomas que se associam frequentemente são as cefaleias “dor de cabeça” e o prurido do véu do palato, da orofaringe e ocular;
  • Acufenos “zumbido no ouvido” e “sensação de ouvido tapado”;
  • “Dores de garganta” e tosse podem ocorrer pela associação de faringite/laringite;
  • Dispneia “falta de ar” ocorrem quando existe asma associada.

Todos estes sintomas podem surgir ocasionalmente em qualquer indivíduo, tornando difícil a fronteira que separa o normal do patológico.

Causas da rinite alérgica

  • Factores genéticos – o risco de atopia na criança duplica se um dos progenitores (pai ou mãe) for atópico;
  • Exposição a alérgenos – o desenvolvimento de rinite alérgica e asma na infância possui como causa primária a exposição a alérgenos ambientais.

Os principais alérgenos causadores de alergia são:

  • Pólenes;
  • Pólenes de gramíneas;
  • Pólenes de árvores; 
  • Pólenes de ervas; 
  • Microfungos ou bolores;
  • Ácaros do pó da casa;
  • Mamíferos (cães, gatos, roedores, ect).

Como prevenir a rinite alérgica?

A profilaxia da rinite alérgica centra-se na evicção dos alérgenos, particularmente no ambiente doméstico e profissional.Podemos destacar as seguintes medidas de prevenção ou profilácticas: exclusão de alcatifas, reposteiros, edredões de penas e peles de animais; aquisição de colchões antialérgicos e de almofadas antialérgicas; lavagens e limpezas gerais frequentes; utilização de acaricidas para desinfestação periódica em especial no outono e primavera; exclusão de produtos agressivos tais como substâncias voláteis (lixívia, tabaco, etc); exclusão de animais domésticos e plantas naturais em caso de doentes especificamente sensíveis; utilização regular de desumidificadores para controlar a humidade, que acima dos 50% é favorável ao desenvolvimento de ácaros e fungos; etc.

Rinite alérgica tem cura?

A rinite alérgica tem tratamento, mas não tem cura. Os doentes com rinite alérgica podem viver sem sintomas, quando tratados corretamente.

Tratamento da rinite alérgica

Na rinite alérgica, o tratamento medicamentoso passa, habitualmente, pela prescrição dos seguintes medicamentos ou remédios:

  • Anti-histamínicos ou “anti-alérgicos”
  • Descongestionantes orais
  • Descongestionantes tópicos nasais 
  • Anticolinergicos 
  • Corticóides sistémicos 
  • Corticóides de aplicação tópica nasal 
  • Anti-leucotrienos
  • Anti-leucotrienos são utilizados por via oral na asma, mas com pouca relevância na rinite alérgica.