Alunos de Irati vão representar o Paraná nas Paralimpíadas Escolares

Desempenho rende classificação de alunos de Irati para as Paralimpíadas Escolares, representando o Paraná

Entre os dias 18 e 23 de novembro, quatro alunos de Irati estarão em São Paulo, no Centro de Treinamento Paralímpico Brasileiro, representando o Paraná nas Paralimpíadas Escolares, que é o maior evento mundial para crianças com deficiência em idade escolar e revela talentos do paradesporto do país.

Eduarda Gonçalves da Silva, Isabela Francos, do Colégio Estadual Antonio Xavier da Silveira, e João Vitor Fernandes e Vitória Silveira Martins, da Escola de Educação Especial José Duda Junior (APAE), fazem parte da delegação paranaense e participarão das provas de atletismo. Os alunos atletas foram campeões em suas categorias na fase final dos Jogos Escolares do Paraná (JEPS) e conseguiram índices para participarem das Paralimpíadas brasileiras. Todos esses resultados se devem graças aos projetos de professores de Educação Física e as escolas, que incentivam estes alunos a praticarem esporte.

PROJETO NO COLÉGIO XAVIER

As alunas do Xavier já colecionam várias medalhas de competições regionais, estaduais e nacionais. Eduarda, por exemplo, vai para a competição brasileira pela terceira vez. “Ganhei três medalhas de primeiro lugar e duas de vice-campeã”, conta ela, orgulhosa de seus feitos. A aluna começou no atletismo porque o professor de Educação Física, Eliton Eduardo Candido, tem um projeto de atletismo, desde 2012, com alunos deficientes físicos. “Ele me perguntou se eu tinha intenção de participar e me encaixou nos treinos”.

Eduarda treina três vezes por semana e sua colega, Isabella, duas. “Ganhei quatro vezes no arremesso de peso, três vezes no lançamento de disco e mais três vezes no lançamento de dardo. No total, tenho 14 medalhas e quatro recordes”, destaca Isabella. A atleta começou neste esporte acompanhando as aulas de sua mãe, mas só no ano passado começou a competir. Esta é a primeira vez que vai para as Paralimpíadas.

E, para conquistar estes resultados, o apoio e dedicação do professor Eliton são fundamentais. “A intenção é mostrar para os alunos que eles têm potencial. Estamos, no momento, com seis alunos no projeto e a nossa rotina está sendo de treinos três vezes na semana e duas vezes na academia para que a gente possa potencializar”, explica Candido.

O professor expõe os motivos de seu projeto ser tão importante. “Já tivemos dois campeões brasileiros, inclusive a Eduarda, que tem quatro recordes nacionais. E, desde então, temos ganhado todas as competições que participamos. Nos Jogos Escolares, por exemplo, ganhamos todas as etapas e, neste ano, tivemos a felicidade de participarmos dos Jogos Abertos em que também trouxemos muitas medalhas. Estivemos nos Jogos Estaduais Paralímpicos onde a Isabella foi campeã paranaense e recordista”. Os irmãos de Eduarda, Vinicius e Mauricio, também são alunos do projeto de atletismo e foram medalhistas em 2019.

Ele diz que o projeto é muito amador porque os treinos acontecem no ambiente escolar e não em um espaço específico. “Treinamos com o material que é fornecido pela escola, às vezes, eu e os outros professores também ajudamos a comprar. E, mesmo assim, os resultados estão vindo muito mais do que a gente esperava”, comemora o professor Eliton.

PROJETO NA ESCOLA JOSÉ DUDA

A Escola de Educação Especial José Duda Junior está em festa. Pela primeira vez, a instituição teve alunos convocados para as Paralimpíadas Escolares. “Ficamos surpresos, pois também foi a primeira participação do João Vitor e da Vitória nos Jogos Escolares do Paraná. Estamos muito felizes, isso é um trabalho em conjunto da escola com os pais”, destaca o professor de Educação Física, Leandro Wszolek.

João Vitor compete na corrida de 75 metros e no salto em distância. Vitória também corre os 75 metros e faz provas de lançamento da pelota. “Nossa escola não tem um projeto específico. Então, a gente adaptou as aulas para que os alunos treinem nas quintas-feiras, no período da tarde”, comenta Wszolek, que trabalha em conjunto com o professor Vinicius em um espaço improvisado na Chácara da APAE Rural. Os treinamentos especializados começaram em julho deste ano e já estão rendendo grandes resultados, pois a escola tem mais alunos que já se tornaram campeões paranaenses.

“Eu gosto de atletismo e sou muito bom de pular”, disse João Vitor, que também contou que está de malas prontas para a viagem. “Eu gosto da corrida e do arremesso e também estou ansiosa para viajar”, definiu a atleta Vitória. Leandro afirma que este contato com alunos de outras cidades e, agora, de outros estados é muito valioso. “O esporte não tem o objetivo de tratar somente o rendimento físico ou o potencial de um atleta, mas ele propõe também a formação humana”. A escola está confiante na participação de seus alunos na competição brasileira.