Governo anuncia redução de imposto de alimentos para atacar a inflação

A redução do imposto vale para alimentos como arroz, feijão, carne e massas e tantos outros que estão na lista. A medida é para atacar a inflação

Gabriela Penha

O governo federal, por meio do Ministério da Economia, anunciou a redução de imposto na importação de alguns alimentos, como carne e feijão. A medida busca amenizar os aumentos dos últimos meses, principalmente para as famílias de baixa renda.

A redução é de mais 10% das alíquotas do Imposto de Importação. São mais de 6.200 produtos na lista. Entre eles estão o feijão, carne, massas, arroz. A redução impacta também nos preços de materiais de construção.

Redução do imposto

O anúncio foi feito nesta segunda-feira (23) pelo Ministério da Economia. A última redução desse mesmo imposto foi em novembro de 2021, também em 10%.

A diminuição no Imposto de Importação seguirá até 23 de dezembro de 2023, segundo o Comitê-Executivo de Gestão da Câmara de Comércio Exterior.

De acordo com o Ministério da Economia, a medida deve baratear os bens importados e beneficiar não só a população como um todo, mas também as empresas que fazem uso de tais itens.

A medida anunciada pelo governo busca reduzir os impactos provocados pela pandemia da Covid-19, assim como pela Guerra na Ucrânia.

As tarifas reduzidas passarão a valer a partir de 1º de junho. Ainda de acordo com os dados divulgados pelo governo, a redução no imposto deve promover um ganho acumulado no Produto Interno Bruto (PIB) de R$ 533 bilhões, investimentos da ordem de R$ 336 bilhões e aumento da corrente de comércio de R$ 1,4 trilhão.

“A medida, somada à redução de 10% já realizada no ano passado, aproxima o nível tarifário brasileiro da média internacional e, em especial, dos países da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE)”, declarou o secretário de Comércio Exterior do ministério, Lucas Ferraz.

Fonte: https://editalconcursosbrasil.com.br/noticias/2022/05/governo-anuncia-reducao-de-imposto-de-alimentos-para-atacar-a-inflacao/