Monitoramento aumenta rentabilidade em Hortifruti (HF)

Há seis anos, a Belagrícola vem orientando produtores de HF, com resultados positivos na rentabilidade da atividade

O plantio da safra de inverno de batatas está iniciando e a das águas praticamente encerrando.  Um período de entressafra em que o bataticultor tem que pensar na tecnologia de produção, aumento de produtividade, manejo, mercado. Os desafios são crescentes. Nos últimos seis anos a empresa Belagrícola  vem ampliando a oferta de monitoramento para o setor Hortifruti (HF) na região de Campos Gerais, no Paraná (Ponta Grossa, Irati, Lapa) e em Santa Catarina (Canoinhas e Mafra).

Segundo o coordenador comercial de hortifruti da Belagrícola, Haroldo Correa Rolim Neto, o desenvolvimento, o fortalecimento da produção e a rentabilidade do negócio tem sido o foco da empresa. Na área de atuação são cinco mil hectares em batata e cebola, mas há também beterraba, alface, tomate, ameixa, pêssego, entre outros. O atendimento evoluiu muito, partiu do zero, para quase 80% da região.  

O coordenador relata que apesar do HF ser uma atividade bem específica, na maioria das vezes com necessidade de rotação de área para correções de solo, muito suscetível às condições climáticas, a pragas e comparada a outras atividades agrícolas, com alto custo de produção (o custo de um hectare de batata equivale a cinco ou seis de soja), a média de produção nas propriedades atendidas tem crescido, com 40 toneladas de batatas por hectare e na cebola comum 35 toneladas.

 

É o resultado de investimentos em produtividade, em tecnologia, manejo diferenciado, treinamentos a campo, investimento em produtos biológicos, entre outros desafios que não só aumentam a produtividade como também a rentabilidade do produtor.”, comenta Haroldo.

Resultados

Eder Lennon Peters, consultor técnico da Belagrícola na região de Palmas e São Mateus do Sul (Paraná) explica que a adesão de produtores a uma orientação mais dirigida e técnica vem aumentando. Os próprios produtores trocam informações e os resultados os incentivam. “Entre 2019  e 2020, as propriedade atendidas aqui tiveram um aumento médio na produção de 27%”, relata o consultor.

A fazenda São Luis, no município de Fernandes Pinheiro (PR), com 500 hectares, sendo 60 deles só com batatas, tem o acompanhamento do consultor da Belagrícola Peters. Segundo o gerente da propriedade Ronaldo Braz dos Santos Paula, a produção hoje é de 600 sacas de 50 kg por hectare.”Tivemos 25% de crescimento em produção nos últimos quatro anos. Com o monitoramento trabalhamos mais tranquilos,a segurança nas tomadas de decisões é maior. É uma parceria.”,diz Ronaldo.

Na região de Irati (PR), referencia na produção de batatas, o consultor técnico da Belagrícola, Michel Hopatha diz que o HF é uma atividade de risco e o produtor “aventureiro” não fica. Ele reforça que o produtor com assistência técnica e focado na atividade, mesmo em períodos de baixa rentabilidade se mantém nela devido a alta produção, conseguindo bancar os custos.

Hopatha coloca que o monitoramento da produção, um manejo correto, os investimentos nas propriedades em adubação, correção de solo através da consultoria possibilitaram na região de Irati, um crescimento médio em produtividade de até 30%. Temos propriedades em que o posicionamento de novos produtos e de produtos especiais viabilizam a produção de 1.800 a 2.000 sacas de batatas por alqueire, o que em um bom período o produtor ganha dinheiro e nos ruins não perde.”