Produção de energia solar pode diminuir até 95% da conta de luz do consumidor

Os brasileiros que instalarem as usinas até o final do ano não estarão sujeitos a nova legislação por 25 anos

Daniela Valenga

A fatura da conta de luz pode diminuir até 95% com a instalação de painéis de energia solar. Além da economia para o consumidor, também é uma forma de sustentabilidade que vem crescendo no Brasil. Segundo a Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar), o Brasil tem mais de 700 mil unidades consumidoras.
Nycolau Taborda, diretor administrativo da empresa ClimaDek, que realiza a instalação de energia solar em Irati e região, explica que o uso dos painéis já representa uma vantagem para as pequenas residências, com o consumo elétrico acima de R$300, sendo ainda mais significativo para os comércios e indústrias que utilizam mais energia. “Quanto maior o consumo de energia que uma pessoa tem, mais rápido é o retorno de investimento”, aponta.
A rentabilidade anual da energia solar, ou seja, o valor que o consumidor terá de retorno de uma aplicação, é de 25% a 33%. Taborda esclarece que mesmo em dias em que não há sol, quando o equipamento é instalado de forma correta e planejada, há a geração de energia através da claridade. O sistema é planejado para haver um equilíbrio entre os meses mais ensolarados e os momentos em que há mais chuvas e dias nublados, como o inverno. “Em dias de muito sol vai ter uma geração maior, mas em dias nublados e de chuva, também vai gerar energia, porém menor”, ilustra.

Após a instalação dos painéis de energia solar, o local ainda mantém vínculo com a Copel, empresa de energia elétrica. Toda a energia solar gerada a mais fica armazenada na empresa. “Durante a noite, é pego essa energia que você tem de crédito e automaticamente faz um equilíbrio na sua conta de luz”, descreve Taborda. Por isso, a fatura da conta de luz pode diminuir até 95% após a instalação dos painéis solares. O local ainda precisa pagar a iluminação pública, a taxa mínima de conexão e impostos ICMS. O proprietário pode utilizar o crédito de energia em até cinco anos na mesma unidade consumidora.
Uma mesma usina de energia solar pode transmitir para diferentes pontos, contanto que eles tenham vínculos com a mesma empresa de energia elétrica, a Copel no caso da região, e as faturas estejam no mesmo CPF ou CNPJ.


Instalação


A lei 14.300 instituiu o marco legal da micro e minigeração de energia elétrica. Ela foi publicada no Diário Oficial da União em 07 de janeiro e determina que, após um período de transição, aqueles que possuem usinas de energia solar ficarão sujeitos às regras tarifárias determinadas pela Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL). “Mas quem realizar o projeto ainda em 2022 vai manter na lei atual até um período de 25 anos”, ressalta Taborda.
Em consequência da lei, o diretor administrativo da empresa ClimaDek indica que há um aumento na procura para a instalação dos painéis. Uma das opções para aqueles que desejam passar a produzir a própria energia, é realizar um financiamento com bancos parceiros, que possuem taxas reduzidas, como Sicredi, Caixa Econômica, Banco do Brasil, Cooperativa Civia e Sicoob.
Emerson de Lara, gerente de uma das unidades da cooperativa Sicredi em Irati, fala que a redução de taxas é uma forma de incentivar os associados a gerarem a própria energia. “Conforme a necessidade que a pessoa precisa, ela escolhe as condições de pagamentos que são flexiveis”, explica. Entre as opções disponíveis estão financiamento com recursos próprios, poupança TR, BNDES, no caso da agricultura familiar, entre outros.
Ainda, o Sicredi também realiza o financiamento para pessoas não associadas, a partir do encaminhamento de empresas parceiras da cooperativa. “Nós fazemos um orçamento, mandamos para a análise de crédito, que é rápida, e depois depende das negociações com a empresa que está fornecendo o serviço”, descreve Emerson.

As pessoas estão buscando essa alternativa pensando no Meio Ambiente e no custo da energia” – Emerson de Lara


No caso da Climadek, Taborda aponta que a instalação completa, a partir do fechamento do contrato, ocorre em até 90 dias. A empresa realiza todas as etapas necessárias, desde análise do local de instalação para estudo do melhor dimensionamento de posição, mão-de-obra, projeto elétrico e estrutural e documentação junto a Copel. “Entregamos os painéis funcionando, gerando e economizando”, ressalta. Após a instalação, a empresa acompanha a usina de energia elétrica e presta assistência, caso necessário.


Sustentabilidade


Outra vantagem desta maneira de produzir energia é a durabilidade, que pode variar entre 25 e 40 anos. A eficiência máxima do sistema fotovoltaico ocorre até cerca de 20 anos. “A partir desse tempo, tem uma perda que é calculada em 1% ao ano, mas mesmo com o desgaste natural continua gerando energia”, relata Taborda.
A recomendação é realizar a limpeza e verificação das instalações anualmente. Porém, como descrito pelo o diretor administrativo da empresa ClimaDek, os únicos cuidados que devem ser tomados é não colocar peso em cima e nenhuma pessoa subir nas células de geração de energia. “O custo de manutenção é baixo, não tem risco de dar problema instalado de uma maneira correta”, destaca Taborda.
Emerson de Lara, gerente da Cooperativa Sicredi, relata que há um aumento gradativo da procura de financiamentos para a instalação de energia solar. “As pessoas estão buscando essa alternativa pensando no Meio Ambiente e no custo da energia”, coloca.
O Sicredi é uma das empresas que, como a Folha de Irati, optou por gerar sua própria energia. “Isso faz parte do nosso projeto de sustentabilidade”, destaca Emerson. Entre outras ações sustentáveis desenvolvidas pela cooperativa, estão a troca de papéis recicláveis e óleos de cozinha usados por materiais de higiene para entidades iratienses. “Também temos a preocupação na impressão de papel, estamos transformando os contratos, que até então eram impressos e assinados, em eletrônicos, reduzindo a emissão de papéis”, conta.