Relíquia de primeiro grau de São João Paulo II chega a Irati

Item ficará na Igreja Matriz São Miguel, e estará em exposição nesta sexta-feira (22)

Jaqueline Lopes

Um momento histórico para a comunidade católica de Irati e região aconteceu na quinta-feira (21), com a chegada da relíquia de primeiro grau de São João Paulo II (um fio de cabelo), e ficará na Igreja Matriz São Miguel. A comemoração contou com grande participação popular, em uma missa solene para o santo.
A celebração teve a presença do bispo Dom Sergio Arthur Braschi, que trouxe a relíquia de Ponta Grossa. Com cantos poloneses e muita emoção, aconteceu a imposição da relíquia que passa a ser da Igreja de Irati. A comemoração foi ainda maior porque na sexta-feira, 22 de outubro, é comemorado o Dia de São João Paulo II.
“Muita alegria, muita emoção para nós que temos fé e sabemos a grandeza do caminho da Igreja através dos séculos, podermos receber aqui na Diocese essas preciosas relíquias de São João Paulo II e que vão permanecer conosco aqui na Paróquia São Miguel de Irati, e na Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, de Castro”, comentou Dom Sergio, citando que o Papa João Paulo II é o terceiro com o mais longo pontificado da história: 27 anos. “É uma honra para a Diocese e uma certeza da proteção e da intercessão dele junto a Deus por nós. Desejo que todos possam visitar e rezar na presença dessa preciosa relíquia”, convida o bispo.
Irati tem uma ligação com São João Paulo II. Na época em que era Papa, entregou dois presentes: o sino, que está na Capela São Francisco de Assis, e o quadro de Nossa Senhora de Monte Claro, Częstochowa em polonês, padroeira da Polônia, que está na Paróquia São Miguel. Estes presentes também podem ser um elo para a vinda da relíquia do pontífice ao município, mas não existe um fator especifico.
Para o Padre Sandro Brandt, pároco da Igreja São Miguel, esta relíquia representa o simbolismo de que São João Paulo II está presente naquele local. “É um grande presente para a comunidade polonesa aqui em Irati. Hoje é uma relíquia que pertenceu a João Paulo II quando era vivo. É um sinal que traz memória a este homem que durante a vida se dedicou a igreja, e pela dedicação e missão foi elevado a Santo”, comenta.
O padre também citou que João Paulo II teve o terceiro maior pontificado da história da Igreja, e que o Santo representa um período, principalmente para a geração dele, que hoje tem cerca de 40 anos, que cresceu sobre a sombra do pontificado que foi frutífero. “Hoje, representa uma grande experiência de comunidade, união, fraternidade e solidariedade”, observa o padre.

ONDE FICARÁ
A relíquia ficará em exposição na Igreja São Miguel nesta sexta-feira (22), embaixo do quadro de Nossa Senhora de Monte Claro, presente do papa, ao lado da cruz. Após a entronização, a paróquia se tornará um local de promoção da devoção ao santo. O objeto está dentro de uma caixa e serão feitas algumas reestruturações na igreja, para depois ser realocado dentro do relicário no altar principal.

SÃO JOÃO PAULO II
São João Paulo II nasceu no dia 18 de Maio de 1920, em Wadowice, na Polônia. Foi batizado com o nome de Karol Wojtyła. Em Outubro de 1942, entrou no seminário de Cracóvia clandestinamente, e em 1º de Novembro de 1946, foi ordenado sacerdote. A ordenação episcopal de Wojtyla foi em 28 de Setembro 1978. No dia 13 de Janeiro de 1964, foi eleito Arcebispo de Cracóvia. Em 26 de Junho de 1967, foi criado Cardeal por Paulo VI. Na tarde de 16 de Outubro de 1978, depois de oito escrutínios, foi eleito Papa, e dedicou 27 anos ao Vaticano, até o dia de sua morte, em 2005. Em 2011, foi beatificado e em 2014 se tornou santo.

RELÍQUIAS
Para a diocese de Ponta Grossa foram destinadas duas relíquias, que foram obtidas depois de incessantes gestões do pároco da Paróquia Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, de Castro, padre Cristiano Marcos Rodrigues. A relíquia já está na igreja de Castro. Os fios de cabelo do Papa, consideradas relíquias de primeira ordem, foram divididos com os fiéis iratienses.