Azulão corre contra o tempo para driblar dificuldades

Equipe disputará segunda divisão do Campeonato Paranaense, que terá início dia 07 de abril O ano não começou com boas notícias

Equipe disputará segunda divisão do Campeonato Paranaense, que terá início dia 07 de abril

O ano não começou com boas notícias para o Iraty. Em novembro de 2018, as conversas com o empresário Sergio Malucelli colocavam ânimo na diretoria, visto que, as tratativas de apoio caminhavam para o pagamento de algumas dívidas, empréstimo de jogadores, gastos com comissão técnica e equipamentos de treinamento. Porém, em janeiro deste ano, teve-se a notícia de que Malucelli não participaria mais do combinado.

Com a ausência do apoio, a diretoria busca caminhos para que o clube ainda possa participar da segunda divisão do Paranaense. O primeiro impasse é o atraso dos pagamentos de água e luz do complexo que compreende o Estádio Coronel Emílio Gomes e o campo de futebol society.

Para isso, a solução foi buscar apoio junto à Prefeitura para cessão do Estádio Municipal Abraham Nagib Nejn e custeio dos documentos de liberação e vistorias. As ações estão sendo dirigidas pelo secretário de esportes, Antônio Celso de Souza, e em breve, a Federação anunciará sua posição.

 

ELENCO

Os atletas residentes na cidade já estão treinando desde o dia 14 de janeiro, aguardando a chegada dos possíveis reforços. Aí entra o segundo embaraço, pois com a administração conturbada da temporada 2018, vários atletas recusaram o convite para compor o elenco neste ano. Com a dificuldade financeira, o clube agora conta com a habilidade do responsável pelo futebol sub 19 e profissional, Play de Freitas, para angariar atletas com bom nível técnico e fechar o time, em troca da exposição deles na disputa do certame.

Play espera poder contar com o grupo ao menos 45 dias antes do início do campeonato (07 de abril). Ele está esperançoso de que os admiradores e torcedores do azulão marquem presença nas partidas que a equipe fará em casa. Este é o caminho mais curto para que o clube possa colocar os custos em dia. “Com o ingresso custando R$ 20, o ideal seria que vendêssemos 800 bilhetes por jogo. Assim, com quatro partidas em casa, conseguiríamos pagar a disputa do campeonato”, disse o técnico.

O planejamento é para que a venda dos ingressos seja feita com bastante antecedência. Para isso, o clube contratará vendedores e buscará apoio do comércio local, visando aumentar o número de espectadores e, consequentemente, da receita.