Juiz deve decidir em breve se acusado da morte de Ivanilda Kanarski irá a júri popular

Mais uma testemunha precisa ser ouvida no caso para sair a sentença

Aconteceu na última terça-feira (19), a audiência de instrução e julgamento do caso da morte de Ivanilda Kanarski, que foi assassinada pelo ex-marido, João Fernando Nedopetalski, em 26 de julho do ano passado, no Parque Aquático, em Irati.

Na audiência, nove testemunhas deveriam ser ouvidas, de acusação e defesa, e também Nedopetalski. Um dos declarantes de defesa não compareceu, devido não ser encontrado, foi feita a substituição e será ouvido em uma nova data.

Após a conclusão dessa oitiva, não havendo diligência entre as partes, ou seja, alguma outra prova, que ficou faltando, ser inclusa no processo, irá para alegações finais, tanto da acusação como da defesa e, na sequência, o juiz dará a sentença de pronúncia, decidindo se o acusado vai ou não a júri popular.

De acordo com os advogados de acusação, Edson Gonçalves e Vandir Fracaro, recentemente, o juiz da Vara Criminal de Irati entendeu que o processo tinha necessidade de ser segredo de justiça, por isso, detalhes da audiência não podem ser divulgados. “O que nós podemos dizer é que, realmente, aquilo que foi noticiado anteriormente e o que foi provado no inquérito se confirmou dentro dos depoimentos”, disse Gonçalves.

Os advogados ainda informam que, ao que tudo indica, o juiz dará parecer favorável ao júri popular. ”Nós acreditamos que, evidentemente, diante de tudo o que foi provado até agora, que está no processo, há uma probabilidade muito grande de se concretizar essa sentença de pronúncia”, conclui o advogado Edson.

A nossa reportagem entrou em contato com os advogados da defesa, que decidiram não se pronunciar ainda.


Veja Também