Parque Ambiental Salto da Pedreira, em Rio Azul, recebe projeto de restauração

Termo de Cooperação tem como objetivo retirar espécies invasoras e aumentar cobertura de vegetação nativa do parque
Rodrigo Solda, junto de membros do SPVS, no Parque da Pedreira (Foto: Nilton Pabis)

Nesta quinta-feira (06), a Sociedade de Pesquisa em Vida Selvagem e Educação Ambiental (SPVS) assinou um acordo para restauração do Parque Ambiental Salto da Pedreira, em Rio Azul. A parceria com a Prefeitura de Rio Azul faz parte do Projeto Conexão Araucária, que recupera a vegetação da Floresta com Araucária em áreas de preservação permanentes, em propriedades rurais localizadas em sete municípios do sudeste do Paraná.

Atualmente, o parque enfrenta dificuldades com a presença de uma grande quantidade de espécies exóticas invasoras. Essas espécies que não são originárias da região se reproduzem em excesso, competindo com as espécies nativas por espaço, nutrientes e luz solar, o que causa um sério desequilíbrio ecológico. Segundo o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), a proliferação de espécies invasoras é a segunda maior causa de perda de biodiversidade no planeta.

O termo para a restauração ecológica do parque foi assinado no gabinete do prefeito de Rio Azul, com a presença dos representantes da Prefeitura, Instituto Água e Terra (IAT), equipe técnica do Projeto Conexão Araucária, da SPVS e representantes da empresa JTI — apoiadora do projeto. Após o evento de assinatura, os representantes das instituições realizaram uma visita ao Parque Salto da Pedreira, percorrendo parte da área a ser restaurada.

Restauração da biodiversidade

A parceria para a restauração ecológica do Parque Ambiental Salto da Pedreira vai funcionar em duas etapas: primeiro, a Prefeitura fica responsável pela retirada das espécies exóticas invasoras para que o Projeto Conexão Araucária possa iniciar o plantio de espécies nativas. Os custos de mão de obra, insumos, mudas e demais necessidades da restauração serão de responsabilidade da SPVS, que executa o projeto.

Segundo Alessandra de Oliveira, técnica do Conexão Araucária, a retirada das árvores invasoras é necessária para abrir espaço para as plantas nativas. “Precisamos retirar as árvores exóticas antes do plantio para que as nativas consigam se desenvolver melhor. Isso também possibilita o uso da madeira das árvores retiradas dentro do município, com outros fins”, explica.

Depois da fase de controle, entra em execução o Plano de Restauração que será elaborado pelo Projeto Conexão Araucária na região classificada como Área de Preservação Permanente (APP) do Rio Cachoeira e do Rio das Pedras. Uma vez que essa área seja enriquecida com a vegetação nativa, o parque vai funcionar como um pequeno corredor de floresta, para fornecer alimento, abrigo e facilitar a locomoção da fauna silvestre. “Valorizar o plantio de nativas e controlar a quantidade de exóticas vai trazer um grande benefício para a região, contribuindo com o aumento da biodiversidade do parque”, afirma Maria Vitória Müller, coordenadora do Conexão Araucária.

Após o plantio, os técnicos do projeto monitoram os resultados, checando o desenvolvimento das mudas na área. Os dados do monitoramento serão repassados para a Prefeitura, que será responsável pela manutenção do plantio.

Projeto Conexão Araucária

O Conexão Araucária é um projeto gratuito de restauração ecológica em regiões de Floresta com Araucária no sudeste do Paraná. Para o desenvolvimento do projeto, a SPVS conta com o investimento do Governo Federal via financiamento do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e também com o apoio da empresa Japan Tobacco International (JTI). Com intermediação da JTI, a iniciativa começou nos municípios de São Mateus do Sul, Rebouças e Rio Azul, seguindo para São João do Triunfo, Palmeira, Mallet e Paulo Frontin.

A meta nesta região é restaurar cerca de 300 hectares de Áreas de Preservação Permanente (APP), com foco nas pequenas propriedades rurais, contribuindo com a proteção de rios e nascentes, com a fertilidade do solo e com outros benefícios que a natureza fornece ao ser humano, como a ação essencial de polinizadores, a manutenção da diversidade de espécies nativas, entre outros.

André Gembaroski, secretário do meio ambiente do município de Rio Azul, explica que os recursos vem da empresa JTI que aplicou recursos na empresa que realiza a recuperação tanto da mata ciliar quanto da vegetação em geral. Será extraído espécies exóticas como pinus e uva japão. Para substituir estas arvores serão plantadas arvores nativas onde traz a característica de parque apenas com espécies nativas.

O prefeito Rodrigo Solda enaltece a parceria firmada porque além do Parque da Pedreira que é um símbolo para o município, também propriedades de fumicultores estarão participando do projeto. “Todos os esforços que fazemos para melhorar nossa qualidade de vida passa em primeiro lugar pela preservação da natureza. E esta parceria entre a prefeitura de Rio Azul, SPVS e JTI é um passo importante dentro desse processo”, disse Rodrigo.

 


Veja Também