Pesquisa aponta os impactos da Covid-19 na economia regional

Transporte, turismo e eventos são os setores com maior queda no faturamento
Presidente interino da Amcespar, Vanderlei Kawa, conduziu a reunião (Foto: Reprodução)

Na quinta-feira, 23, os integrantes da Associação dos Municípios do Centro Sul do Paraná (Amcespar) se reuniram para uma troca de experiências a respeito das ações de combate do coronavírus nos municípios.

Durante a reunião, foi apresentado o relatório “Impactos da Covid-19 na estrutura econômica do Vale dos Pinhais”, elaborado pelo Sebrae e pelo Núcleo de Economia Regional e Políticas Públicas da Universidade Estadual de Ponta Grossa (Nerepp-UEPG). Com o objetivo de mensurar o impacto das medidas restritivas, a pesquisa foi aplicada com 237 estabelecimentos dos municípios de Irati, Fernandes Pinheiro, Rebouças, Prudentópolis e Teixeira Soares, na primeira quinzena de junho.

O presidente interino da Amcespar, Vanderlei Kawa, comentou sobre as grandes dificuldades enfrentadas diante dos decretos municipais. “Aquelas pessoas que criticam nossos líderes e os comitês de defesa contra esse vírus, quem tiver a real solução para esse problema que estamos passando, que atire a primeira pedra no prefeito ou prefeita que decretou o fechamento da sua cidade. Quando um problema não tem solução, elegemos sempre um culpado, um inimigo ou um vilão”, disse. Segundo ele, tudo ainda é novidade e passível a erros. “Fomos pegos de surpresa e sem manual de procedimentos. Cada um acha uma coisa, mas ninguém tem certeza de nada diante desse vírus”, completou.

De acordo com o relatório apresentado, a média de perda de faturamento nos estabelecimentos foi de 38%, sendo uma queda média de 41% em estabelecimentos considerados não essenciais e 34% naqueles considerados essenciais. Os setores mais atingidos pelo distanciamento são transporte de pessoas, turismo/hotelaria/atrativos e eventos.

O prefeito de Irati, Jorge Derbli, afirmou que os decretos foram redigidos para proteger a vida da população e lembrou a morte de um servidor público de Irati, vítima da Covid-19, que estava internado na UTI do Hospital Erasto Gaertner, em Curitiba-PR. O corpo dele não pôde ser transportado de volta a Irati por causa do decreto 536/2020, da capital, que impede o traslado de corpos de pessoas com suspeita ou confirmação da Covid-19, quando acontecer em Curitiba. Derbli comentou o caso em tom de alerta aos prefeitos da região.

Já o prefeito de Inácio Martins, Junior Benato, disse que é necessária a conscientização de todos os cidadãos. “É preciso colaborar com as iniciativas das autoridades competentes ligadas à área da saúde”. Ele ainda falou da falta de leitos de UTIs, de remédios, de profissionais, médicos e enfermeiros.

Sobre conscientização da população sobre os riscos do coronavírus, a prefeita de Fernandes Pinheiro, Cleonice Schuck, disse haver dificuldade. “Por meio da Amcespar, podemos definir algumas ações em conjunto, unindo os dez municípios, se os casos começarem a aumentar devido ao relaxamento dos decretos municipais. Podemos fazer um padrão de horário e toque de recolher, até padronizar um fechamento geral nos sábados ou domingos, para conter o avanço do coronavírus”, comentou. A iniciativa recebeu o apoio dos demais prefeitos e do diretor interino da Associação.


Veja Também