Campanha alerta sobre tipos de violência contra as mulheres

Toda a ação está disponível no site do Governo, gratuitamente

“Nenhuma mulher a menos – na luta contra o feminicídio” é o nome da campanha lançada na quinta-feira (05) pela Secretaria de Estado da Justiça, Família e Trabalho em alusão ao Dia Internacional da Mulher, comemorado em 8 de março. O lançamento ocorreu em Curitiba, em evento do Departamento de Garantia dos Direitos da Mulher.

“A campanha conscientiza a sociedade sobre a importância de denunciar por meio dos telefones 180 (Central de Atendimento a Mulher) e 181 (Disque Denúncia) sobre qualquer tipo de agressão, seja física, psicológica, moral, sexual e patrimonial contra a mulher”, disse o secretário Ney Leprevost.

Ele destaca que a campanha do Governo do Estado contra o feminicídio reforça que não são apenas hematomas que identificam situações de violência. “Há outros sinais de agressão que podem ser um pedido silencioso de ajuda. Por isso os materiais contém esclarecimentos sobre as formas de agressão e violação dos direitos humanos”, explicou Mara Sperandio, chefe do Departamento da Mulher da secretaria.

Todo o material da campanha, como cartazes, flyers, marca páginas e banners para redes sociais, está disponíveis gratuitamente para toda a população no site http://www.sejuf.pr.gov.br.

SINAIS

Mulheres vítimas de agressão costumam informar acidentes com frequência; apresentar lesões incompatíveis com os relatos dos acidentes; ter hematomas, queimaduras, contusões e fraturas; sofrer humilhações diante de familiares e amigos; ter a liberdade restringida (ser proibida de trabalhar, estudar ou sair de casa); relatar dores de diversas naturezas; isolamento e mudanças frequentes de emprego ou endereço; baixa autoestima, insônia, medo e sentimento de culpa e depressão, além de transtornos alimentares.

EVENTO

O evento realizado nesta quinta reuniu cerca de 300 mulheres para ouvir palestras com Telma Crummenauer (Confraria Filhas do Vento e da Liberdade), da médica Michele Cavassin (socorrista do Batalhão Militar de Operações Aéreas), e de Sabrina Matos (coach em saúde da mulher), além de dicas para autodefesa.