Pilates e você
PILATES NO TRATAMENTO DA FIBROMIALGIA

Bruna Fernandes Cordeiro 

 

Na atualidade muitos pacientes chegam ao estúdio, com o objetivo de diminuir os sintomas que interferem na realização das atividades de vida diária. Então, por este motivo vamos falar do Pilates na fibromialgia, uma síndrome musculoesquelética que vem afetando muitos indivíduos.

 

 

Benefícios do Pilates na Fibromialgia

Antigamente quem tinha dor generalizada não era levada muito a sério, hoje em dia há vários recursos que auxiliam o paciente a adquirir melhor qualidade de vida. Entre eles está o Pilates, que cada dia mais vem conquistando novos adeptos à praticar o Método, principalmente os portadores de fibromialgia.

O Pilates na fibromialgia é aplicado nesses pacientes com exercícios de baixo impacto, o que traz benefícios à saúde do praticante, como:

  • Fortalecimento Muscular Global
  • Melhora as Funções Neuromusculares
  • Correção Postural
  • Melhora a Circulação e Oxigenação das Fibras Musculares
  • Diminui as Contraturas através do Relaxamento Muscular
  • Aumenta e mantém a Flexibilidade Muscular
  • Aumenta a Coordenação e Equilíbrio
  • Melhora a Mobilidade Articular
  • Melhora a Capacidade Respiratória
  • Garante melhor Condicionamento Físico e Mental
  • Alivia o Estresse e a Ansiedade

 

 

    Estes são alguns dos benefícios do Pilates na Fibromialgia, que ajudam a manter os músculos condicionados e saudáveis, diminuindo a intensidade da dor e, deste modo, facilitando na realização das atividades do dia a dia.

     Por este motivo é muito importante a prática regular de Pilates na fibromialgia, pois quando realizado o organismo reage estimulando a liberação de endorfinas que atua como efeito analgésico, proporcionando a sensação de bem estar ao praticante.

    Para garantir esses resultados é indicado que o paciente realize Pilates pelo menos 2x na semana. Também é importante lembrar que o instrutor deve estar ciente quanto aos limites de cada paciente, sempre respeitando a fisiologia do músculo e a biomecânica articular.

Além de amenizar os sintomas, o Pilates na Fibromialgia promove ao praticante a sensação de bem estar, aumenta sua auto estima e proporciona uma boa noite de sono o que consequentemente irá reduzir o uso de medicações.

    Liberação Miofascial

    A técnica de liberação miofacial (Stick (bastão), foam rollers (rolo de espuma, bolas de tênis e soft ball) também deve ser realizada, pois tende a eliminar os “pontos gatilhos” e diminuir as barreiras de restrição dos movimentos, auxiliando na reabilitação neuromuscular.

    Além de eliminar os “pontos gatilho”, a liberação miofascial deixa os músculos mais flexíveis, fortes e resistentes a lesões.

    Concluindo…

    O Pilates na Fibromialgia é uma excelente alternativa para os pacientes, pois atua tanto na prevenção de outras patologias, quanto no tratamento das dores reumáticas.

    Os exercícios de alongamento, liberação miofascial e fortalecimento dos músculos envolvidos, ajudam a aliviar as dores, melhorando a qualidade do sono, promovendo maior resistência e capacidade funcional ao praticante, para que assim ele consiga desenvolver as atividades de vida diária da melhor forma possível.

    Lembre-se: quando o Método Pilates é ministrado por um profissional que tem conhecimento daquilo que esta fazendo, com certeza o limite de cada praticante será respeitado e melhores resultados serão obtidos.

 

Referências Bibliográficas

BATISTA, Juliana Secchi; BORGES, Aline Morás; WIBELINGER, Lia Mara. Tratamento fisioterapêutico na síndrome da dor miofascial e fibromialgia. 2012. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1806-00132012000200014>. Acesso em: 22 de Jun. 2019

KOMATSU, Mariana et al. A prática de Pilates melhora a dor e a qualidade de vida em mulheres com síndrome fibromiálgica. 2016. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1806-00132016000400274&lang=pt>. Acesso em: 22 jun. 2019.

BRESSAN et al. Efeitos do alongamento muscular e condicionamento físico no tratamento fisioterápico de pacientes com fibromialgia. 2008. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rbfis/v12n2/a03v12n2.pdf>. Acesso em: 22 jun. 2019.