Mais de 300 apresentações fizeram parte da programação artística do 32º Rodeio Crioulo de Integração de Irati

Três bailes gaúchos também foram realizados

Amanda Borges

Durante os três dias do 32º Rodeio Crioulo de Integração de Irati, realizado no último final de semana, a população pode prestigiar não somente as competições de laço, mas também a recheada programação cultural do evento. Entre elas, os tradicionais bailes gaúchos e as invernadas artísticas. Foram, ao todo, mais de 300 apresentações culturais, 30 grupos de dança e três bailes distribuídos nos três dias de festa. 

Renomados artistas da música gaúcha estiveram à frente dos bailes. Na sexta-feira (15), quem animou a noite foram Os Serranos, no tradicional Baile do Patrão; no sábado (16), João Luiz Correa & Grupo Campeirismo embalou o baile; e, para encerrar, no domingo (17) a música ficou por conta do Baitaca.

A respeito de todo o cronograma de atividades artísticas da festa, a secretaria de Cultura e Turismo de Irati diz que todas as expectativas da organização foram superadas.  “A gestão Jorge Derbli como um todo esteve coordenando para receber da melhor forma todos os visitantes”, afirmou a secretária.

Anna Carolina Siedschlag e João Pedro Didone vieram até Irati para dançar representando o Centro de Tradições Gaúchas (CTG) XX de Setembro, da cidade de Curitiba. O par, que já se apresentou em outros lugares, conta que a expectativa estava mais alta do que das outras vezes, devido ao tempo que precisaram ficar afastados dos palcos, pela pandemia.

“A gente já se apresentou em vários rodeios, mas como nós ficamos dois anos sem dançar, voltar agora é muito difícil para a gente se acostumar, entrar no ritmo”, afirmou João Pedro. Ainda, os dois migraram das categorias ‘juvenis’ da dança, para o grupo adulto, processo que complicou ainda mais esse período de readaptação. “A nossa posição ainda está de frente para câmera, isso piora o nervosismo”, disse João.

Apesar disso, os jovens afirmam que se surpreenderam positivamente com o Rodeio de Irati. “Está muito bom, nos anos passados não estava assim, esse ano está muito bom, a estrutura é muito boa”, compartilha Anna Carolina.

Ela também afirmou que a ansiedade para se apresentar “acelera o coração”, mas que tudo vale a pena quando se está em cima do palco. O papel do público é imprescindível durante o momento da apresentação, de acordo com Anna. “Da um nervosismo, mas a gente vê que estão olhando, então tem que fazer bonito para eles gostarem”.