Biblioteca comunitária Dom Caixote arrecada livros na Unicentro Campus Irati

Duas das funções das universidades públicas são incentivar a produção e a circulação de conhecimentos, missões que vão muito além do ensino e da pesquisa

Na Unicentro, um dos projetos de extensão na linha de incentivo à produção do conhecimento é o Dom Caixote, cujo objetivo, segundo a coordenadora, professora Ana Lúcia Suriani Affonso, é estimular a leitura de livros literários. “O Dom Caixote é um projeto de extensão criado em 2016 e, até hoje, estamos tentando inserir ele em todos os campi da universidade, da Unicentro. Ele tem como principal objetivo estimular o hábito de leitura das diferentes pessoas que passam pela universidade, desde os funcionários, terceirizados, professores, acadêmicos, visitantes que, muitas vezes, vem para congressos, para eventos ou mesmo para atendimento nas clínicas”, explica.

O Dom Caixote é constituído por pequenas bibliotecas comunitárias livres. Através delas, os frequentadores da Unicentro têm acesso a livros em pontos específicos, sem precisar registrar um empréstimo formal. Funciona assim: a pessoa pode escolher o livro que lhe interessar, ler no local ou levar para ler em casa e, então, devolver no mesmo local da retirada. No Campus Irati, quem abraçou a ideia de impulsionar o projeto foi a Divisão de Promoção Cultural, chefiada pela professora Eliziane Manosso Streiechen.

“Eu achei muito interessante esse projeto em todos os sentidos – desde o estímulo à leitura, principalmente porque não tem aquela burocracia do empréstimo em que a pessoa paga multa se não devolver em tempo hábil e também achei muito legal essa liberdade que o leitor vai ter de pegar o livro, levar pra sua casa, fazer a leitura e devolver. A pessoa pode levar para ler, mas ela tem que devolver, porque ela tem que pensar que outra pessoa pode ser contemplada com aquela leitura também, e se ela ficar com o livro em casa, se já leu o livro, porque ficar guardado em uma prateleira para empoeirar?”, detalha Eliziane.

Por enquanto, o Campus Irati possui apenas um ponto do Dom Caixote, que fica no saguão do Bloco PDE. Mas a equipe do projeto já está organizando uma nova pequena biblioteca no campus. Para isso, o Dom Caixote está promovendo uma campanha de arrecadação de livros. Assim que as atividades administrativas presenciais retornarem, serão dois locais de coleta – um na Direção do Campus Irati e outro na sala da Divisão de Promoção Cultural, no Bloco PDE. A equipe também se disponibiliza a buscar os livros na casa de quem quer doar. Para isso, basta entrar em contato pelo telefone (42) 3421-3054 ou pelo e-mail [email protected] Além de livros literários de todos os gêneros, o Dom Caixote também está precisando de doações de almofadas e um tapete grande para a montagem do novo espaço.

“Os livros a gente pretende deixar disponíveis no saguão do prédio principal, estilo quiosque, deixando os livros expostos, para que toda a comunidade acadêmica tenha acesso”, explica a professora Eliziane.

Outro objetivo da arrecadação do Dom Caixote é a organização dos livros em caixas para presentear instituições de cunho social ou beneficente. De acordo com a coordenadora Ana Lúcia, em Guarapuava, por exemplo, já receberam livros do projeto da Unicentro o Instituto de Ação Social João Paulo II, o Albergue Noturno Frederico Ozanam e o Instituto Assistencial Dom Bosco. Agora, a equipe do Dom Caixote quer fazer o mesmo em Irati. “Depois que a gente conseguir estabelecer esses pontos novos das pequenas bibliotecas dentro do Campus Irati, a gente também está pensando em ampliar e fazer o que a gente chama de Caixote Solidário. A partir da arrecadação desses livros doados ao projeto, a gente pretende contemplar instituições que auxiliem crianças, adolescentes, adultos, idosos, e que queiram receber esse caixote do projeto repleto de livros de uma literatura diferente”, completa Ana Lúcia.

Enquanto as atividades presenciais da universidade permanecem suspensas, o público pode acompanhar o Dom Caixote no Facebook e no Instagram. As bolsistas do projeto, como a estudante de Letras Eduarda Farias, postam conteúdos interessantes sobre literatura nessas redes sociais. “A gente faz publicações contextualizando a obra, o autor, e fazendo com que o público interaja com a gente e com os livros. Gostamos de trazer leituras clássicas e contemporâneas, para que nenhum estilo seja deixado de lado. Ler sempre será um prazer e uma liberdade. Por isso, o projeto Dom Caixote está aí – para que esse prazer pela leitura chegue a muito mais pessoas”, conta.