Angelo Machado entrega mandato com caixa positivo de R$ 4,7 milhões

Prefeito não pôde comparecer na transmissão por estar internado na UTI do hospital Santa Casa de Ponta Grossa por infecção da Covid-19

A administração Angelo Machado, de Guamiranga, prestou contas em forma de transição de mandato aos nove vereadores eleitos. O ato aconteceu no dia 31 de dezembro às 16h no gabinete da Prefeitura. O prefeito Angelo Machado não pôde comparecer por estar internado na UTI do hospital Santa Casa de Ponta Grossa por infecção da Covid-19. Também a secretária Rosana Machado está internada e Rui Machado também não compareceu devido ao isolamento domiciliar.

A prestação de contas foi conduzida pelo controlador do município, André Luiz Gonçalves, da procuradora, Cristina Taradenko, o presidente do Fundo de Previdência, Davi Lubachevicz, e também do assessor contábil, João Henry Mildenberg.   Guamiranga vive uma situação inusitada que acabou ocasionando um fechamento de mandato diferente. O prefeito Angelo Machado foi hospitalizado devido a infecção da Covid-19 e no dia 31/12 encontrava-se internado. O seu vice, Luiz Antônio Panko, renunciou o cargo no dia 10 de dezembro. Então, como não se tinha o nome de quem seria o prefeito na data de 31 de dezembro, por determinação do prefeito Angelo, foi feito uma reunião com os nove vereadores eleitos fazendo a transição do cargo.

Foi uma preocupação do prefeito Angelo que o município fosse entregue em condições viáveis administrativas e com uma prestação de contas que desse possibilidade de o próximo prefeito gerir. Mas ele fez, conta o secretário de Finanças do município que participou da reunião por vídeo. “O município está sendo entregue sem nenhuma conta, com todas aprovadas perante o TRE e todas sem nenhum questionamento. Ainda, todas as obrigações foram pagas não tendo nenhum fornecedor a ser pago. Nenhuma conta referente aos anos anteriores também foram quitadas. Apenas um empenho de uma obra ficou em aberto devido às empresas não terem realizado a finalização da obra”, André.

No município, restou com um valor em caixa de R$ 4.730 milhões, sendo R$ 1.814 milhões de caixa livre e R$ 2.916 milhões de recurso vinculado. “Apenas o valor do caixa livre permite que o município pague dois meses da folha de pagamento. Uma condição invejável e nunca acontecida antes em Guamiranga e desconheço outro município que tenha sido feito com tanto rigor,” afirmou Rui Machado. 

André Luiz Gonçalves, que é o controlador interno, diz que o processo foi realizado devido ao motivo de não ter um prefeito definido e, como o prefeito deverá vir da Câmara, todos têm ciência de como está o quadro do município. “É importante que seja dado continuidade a esta estrutura de trabalho que permitiu o município estar numa condição privilegiada”, diz André. As contas 2018 e 2019 foram aprovadas pelo TRE em primeira análise, sem nenhum comentário contrário foi algo que aconteceu de forma inédita em Guamiranga. O controlador ressalva que a determinação do rigor das contas vinha do prefeito Angelo Machado e seguido pela equipe. “O município de Guamiranga não tem nenhuma conta a pagar, nenhum resto a pagar o que permite que o próximo prefeito tenha uma condição facilitada de governo”, explicou.

Também, o fundo de previdência municipal está num quadro regular com todas as obrigações regulares e que foi assumido com R$ 17.8oo milhões e está sendo entregue  com um caixa de aproximadamente R$ 29 milhões, com um acréscimo de aproximadamente R$ 11 milhões em quatro anos. Quanto ao Jurídico, a procuradora Cristina Taradenko prestou contas de toda situação que envolve o setor.

André fez a demonstração contábil, financeira e apresentou uma série de documentação anexa com a relação de funcionários, relação de obras, máquinas, estrutural outras que compõe a estrutura da transição municipal.

Após esta reunião, toda a estrutura municipal ficou sob guarda do presidente da Câmara, naquele momento ,Natã Pontarolo. Natã afirma que a situação do município está em uma posição invejável e o próximo prefeito terá muita facilidade para administrar Guamiranga. “ Isso se deve ao trabalho que o prefeito Angelo Machado executou, permitindo que o bem público fosse tratado com muita seriedade”, finalizou.

O Secretario de Administração e Finanças, Rui Machado, que participava por vídeo, em sua fala explicou que este foi um sistema que levou tempo para ser construído e chegar neste método que permitiu além da boa administração do recurso público fazendo com que sobrasse um bom saldo positivo em caixa também dar uma possibilidade de gestão eficiente a quem assumir o cargo de prefeito. “Fica um alerta. O próximo ano será um ano difícil no setor da arrecadação e é preciso tomar as medidas corretas e administrar com cuidado o caixa da Prefeitura para que não se perca tudo o que foi conquistado pelo prefeito Angelo Machado”, finalizou.

Assista ao vídeo