Bancos oferecem linhas de créditos para enfrentamento da crise causada pelo Covid-19

Devido às paralisações que ocorreram e podem ocorrer neste período, os bancos oferecem aos empreendedores várias alternativas para não terem prejuízos

Desde o início das medidas anunciadas pelas autoridades para conter a pandemia do Coronavírus, a equipe do Sebrae Nacional, com o apoio das equipe das unidades estaduais do Sistema Sebrae vem monitorando as notícias e as ações das Instituições Financeiras em todo Brasil para levar aos empresário de pequenos negócios informações qualificadas e úteis para enfrentar os efeito da crise com a paralisação das atividades. Para isso, listou algumas das linhas de créditos dos principais bancos do país.

BANCO CENTRAL

O Banco Central e o Conselho Monetário Nacional optaram pela liberação de R$ 135 bilhões ao sistema financeiro por meio de mudanças nas regras dos depósitos compulsórios das instituições financeiras;
Linha de crédito emergencial para financiar a folha de pagamento de pequenas empresas pelo período de dois meses.

SICREDI

O Sicredi dispõem de diversas linhas de crédito, inclusive, as que estão sendo anunciadas pelo Governo Federal na medida em que as resoluções estão sendo emitidas.

A Cooperativa optou por avaliar individualmente as necessidades de cada associado para estabelecer em conjunto qual é a melhor solução, com melhores condições possíveis e na medida certa. Para isso, está entrando em contato com os associados. Segundo o gerente da agência de Irati Centro, Emerson de Lara, “entendemos que podemos fazer mais pelos associados quando ofertamos soluções personalizadas e que realmente façam sentido para eles e para seus negócios, pensando não apenas no curto, mas também no médio e no longo prazo”.

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL

Serão destinados R$ 40 bilhões para capital de giro, principalmente, para empresas do setor imobiliário e pequenas e médias empresas; e ainda R$ 5 bilhões para o crédito agrícola.
A Caixa dará apoio às micro e pequenas empresas, com redução de juros de até 45% nas linhas de capital de giro, com taxas a partir de 0,57% a.m.;
Disponibilização de carência de até 60 dias nas operações parceladas de capital de giro e renegociação;
Disponibilização de linhas de crédito especiais, com até seis meses de carência, para empresas que atuam nos setores de comércio e prestação de serviços, mais afetadas pelo momento atual;
Linhas de aquisição de máquinas e equipamentos, com taxas reduzidas e até 60 meses para pagamento.

BANCO DO BRASIL

O Banco do Brasil anunciou que dispõe de R$ 100 bilhões para empréstimos a pessoas físicas, empresas e o agronegócio. Também há recursos para compra de suprimentos e outros investimentos na área de saúde, eficiência energética, infraestrutura e viária, educação e saneamento para prefeituras municipais e governos estaduais.
Do total, R$ 24 bilhões são destinados a pessoas físicas, R$ 48 bilhões são para empresas, R$ 25 bilhões para o agronegócio e R$ 3 bilhões para administrações públicas municipais e estaduais. Os recursos irão reforçar as linhas de crédito já existentes, principalmente as voltadas para crédito pessoal e capital de giro.
O Banco do Brasil está priorizando os canais digitais, de modo que os empresários possam realizar transações financeiras sem a necessidade de comparecer à agência.

BANCO BRADESCO
O Bradesco disse que está à disposição para prorrogar por 60 dias as dívidas de operações em dia e o cliente que está interessado na possibilidade deve contatar as agências. Não há mais detalhes sobre possíveis medidas além dessa até esse momento.
Com a redução da taxa SELIC para 3,75%, o banco anunciou que iria reduzir suas taxas de juros para clientes pessoa física e jurídica, repassando o corte de 0,50 ponto percentual da taxa básica de juros para as suas linhas de crédito.

BANCO ITAÚ
O banco anunciou que a prorrogação de dívidas é possível com a assinatura do Itaú Crédito Sob Medida, que permite a alteração da data original. Assim, o cliente irá repactuar seu contrato e, no momento de escolha da nova data de vencimento, poderá prorrogar por até 60 dias o pagamento. Quem já tem o Itaú Crédito Sob Medida contratado também pode renegociar o vencimento da sua próxima parcela, optando por pagá-la 60 dias depois da data originalmente acordada.
A prorrogação por 60 dias também vale para financiamento de imóvel ou veículo. Durante este período, será mantida a mesma taxa de juros, sem a cobrança de multa.
Em relação ao cheque especial e cartão de crédito, a prorrogação não vale, já que esses produtos contam com alternativas de parcelamento previstas na oferta de cada item, cujas condições podem ser conferidas nos aplicativos, no site e nas centrais de atendimento do banco.