IFPR de Irati conquista 1º lugar no Desafio Nacional Acadêmico

Prova acontece em todo o Brasil e este ano foi realizada remotamente, em virtude da pandemia da Covid-19

O Desafio Nacional Acadêmico (DNA) é uma prova que contempla diversos assuntos, envolve todas as áreas do conhecimento com questões interdisciplinares, acontece anualmente, e este ano foi feito remotamente em razão da pandemia. O Instituto Federal do Paraná (IFPR) – campus Irati, iniciou sua participação no DNA em 2014 e este ano alcançou o 1º lugar no estado, e o 25º lugar no Brasil. A prova tem três categorias e a categoria do ensino médio conquistou esta colocação.

São formadas equipes interdisciplinares com os dois cursos que o IFPR possui, que é Agroecologia e Informática, para que os alunos desenvolvam o conhecimento teórico e prático durante o desafio. A primeira etapa foi realizada no dia 21/11 e a segunda no dia 28/11, nos anos anteriores uma das etapas é realizada de maneira prática na instituição, mas este ano tudo aconteceu online.

Este ano, o professor orientador dos alunos que participaram do DNA, foi o professor Rodrigo Duda. Também participaram os professores Roger Mazur, Tiago Gerke, Ana Radis, Laynara Zontini e Anderson Oliveira assistindo a equipe durante o processo. O desafio é divulgado para todos os alunos, aqueles que se interessam montam sua equipe juntamente com o orientador.

Existem três categorias: ensino fundamental (5º ao 9º ano), ensino médio e categoria aberta. Na categoria aberta, quaisquer pessoas podem participar, incluindo universitários, ou, ainda podem montar equipes múltiplas com participantes de diferentes níveis educacionais.

A diretora geral do campus de Irati, Ana Radis, conta como foi o DNA este ano. “Os alunos e o orientador fizeram vídeoconferências entre eles, em que analisaram as questões em conjunto. Existem questões muito objetivas de cálculo, por exemplo, e outras muito amplas, como ouvir um áudio em outra língua e tentar traduzir o conteúdo para poder encontrar uma resposta. Eu participei da comissão então vi que havia caça-palavras em outras línguas, bem como sobre temáticas de arte e cultura, com imagens que o aluno precisa decifrar dentro de um contexto. É uma prova bem lúdica”, disse a diretora.

Segundo Ana, o desafio permite desenvolver mais a capacidade cognitiva do aluno, abrange várias áreas do conhecimento e permite o raciocínio, o que leva a ver que os estudantes possuem uma formação completa.

Cinco alunos do campus Irati participaram do desafio, todos pela primeira vez e conquistaram uma colocação memorável para a instituição, são eles: Maria Eduarda Bortolloti, André Novack, João Victor Roseira, João Felipe Corso e Giulia Gasparini. Foi possível formar a equipe com os dois cursos do instituto.

Em um ano atípico para a Educação a equipe pedagógica ficou realizada por esta conquista e a diretora afirma que o mérito é dos discentes e professores. “A gente fica feliz de ver que os estudantes ainda estão empenhados, e que grande parte do conteúdo que ensinamos em sala de aula eles conseguem aprender. Em momentos como este os alunos ainda conseguem colocar em pártica o conhecimento que adquiriram ao longo da carreira, e trazem ótimos resultados não só para a instituição, mas também para toda a região”, ressalta Ana.