Pai conta os desafios para conseguir a guarda da filha

Amor paternal e defesa dos direitos iguais foram os motivos que fizeram com que Edson lutasse por Anna Lívia, ele conta sua história diante desta data, que é o Dia dos Pais

O Dia dos Pais está chegando, domingo (09), e para comemorar esta data vamos contar a história de Edson Luiz Sidoski, que é pai de Anna Lívia Sidoski e conta sobre a grande luta para conseguir a guarda da filha de oito anos.

Edson fala que ficou durante meses sem saber o paradeiro da filha, não sabia em que escola ela estudava, nem o estado de saúde, mas nunca deixou de lutar por ela, pois o amor de pai sempre falou mais alto. Ele entrou com um processo judicial em outubro de 2019, com o pedido de reversão de guarda ou regularização de visitas, já que os direitos paternais estavam sendo violados. Em maio deste ano, Edson conseguiu oficializar a guarda da filha e desde então ela mora com ele.

Os direitos são iguais

Edson Luiz Sidoski

Ele conta que sofreu sérias acusações pela família da mãe de Anna, a menina teve pressões psicológicas. “Ela estava sendo vítima de alienação parental, e também alvo de falsas acusações. Um certo dia apareceu para mim um "PAI", esse pai, foi o meu advogado, que meu deu as ferramentas certas para chegar onde estou. Nos momentos que eu mais precisei, ele sempre esteve do meu lado. Não deixando de lado meus pais, irmãos e cunhados, que sempre me deram suporte total nas horas de tempestades. Hoje me sinto forte, mas precisei colocar meu emprego, minha saúde e minha liberdade em risco, para conseguir chegar até aqui”, disse o pai de Anna.  

Edson tem 42 anos, reside em Irati, é servidor público e terapeuta Holístico. “Já vendi jornal, sorvete, já fui músico por um tempo, caminhoneiro e trabalhei em escritório”. Atualmente, faz mestrado em Ciências Naturopáticas, e a filha está no 3º ano do ensino fundamental e tem aulas de inglês. “Temos praticamente os mesmos gostos, gostamos muito da natureza, do cheiro do mato, das cachoeiras, do silêncio, da paz e da tranquilidade. Temos uma sincronia muito forte mesmo. Gostamos de viajar, ir a piscina, parques e estudar”.

O pai conta que a guarda invertida é um processo difícil, mas que os pais precisam lutar por este direito, se de fato, querem se comprometer em cuidar dos filhos. “Muitas vezes, para você conseguir o seu direito de conviver com o filho, é preciso brigar com o mundo. E uma longa jornada, árdua, e cansativa, mas que vale a pena, só pelo fato de ser pai. Pois quando um pai ama sua filha, ele nunca pode desistir dela. Pode ser que demore, porém, no final, o universo conspira e não deixa que as injustiças sejam eternas. Não existe nada maior nesse mundo que o amor paternal”, afirma Edson.

Além de ser movido pelo amor, Edson também fez questão de mostrar que os direitos humanos devem estar em todos os lugares, inclusive dentro das famílias. “Você pai, que passa pela mesma situação que eu passei, não deixe ser humilhado por uma pessoa que possui os mesmos valores que os teus Corre atrás, os direitos são iguais. E no final de tudo o importante é que o amor que você receberá é sem mentiras, sem traição, um amor sem rancores, enfim, ter uma filha é ser feliz”.