Rinite alérgica: saiba o que é, quais os sintomas, causas e tratamento

Dr. Bruno L. Alencar Otorrinolaringologista CRM 18299 RQE 13511 A rinite alérgica é uma condição genética, passada dos pais para

Dr. Bruno L. Alencar

Otorrinolaringologista

CRM 18299 RQE 13511

A rinite alérgica é uma condição genética, passada dos pais para os filhos, em que a mucosa do nariz é mais sensível e se inflama ao entrar em contato com algumas substâncias, causando uma reação alérgica que provoca o surgimento de sintomas como espirros, coriza e coceira no nariz.

Principais sintomas

Os sintomas de rinite alérgica podem acontecer em qualquer período do dia e estação do ano, podendo variar de acordo com o agente responsável pela alergia. Os principais sintomas de rinite alérgica são:

•       Coriza constante;

•       Espirros;

•       Olho lacrimejando e coçando;

•       Coceira no nariz e nos olhos;

•       Tosse;

•       Dor de cabeça.

Causas de rinite alérgica

As causas da rinite alérgica podem variar de acordo com o local onde a pessoa vive, estação do ano e até mesmo produtos utilizados para perfumar a casa. Entretanto, determinados tipos de alérgenos são responsáveis por aumentar a irritação da mucosa nasal, dentre os mais comuns pode-se destacar:

1.      Ácaros: o ácaro é o principal causador da rinite alérgica e embora exista durante todo o ano, no inverno, quando está mais úmido e os ambientes passam muito tempo fechados, acabam se multiplicando mais e isso pode piorar a irritação da mucosa do nariz.

2.      Poeira: existe poeira em todos os lugares e, na maioria dos casos, não causa nenhum problema à saúde. No entanto quando está em grande quantidade pode desencadear a rinite alérgica, além de coceira nos olhos e na pele, em pessoas mais sensíveis.

3.      Pólen das plantas: o pólen é outro fator alérgeno que irrita a mucosa nasal de pessoas mais sensíveis, causando os sintomas da rinite alérgica, e que tende a ser mais forte no início da manhã ou em dia com muito vento.

4.      Pelos e penas de animais domésticos: os pelos e pequenas penas de animais domésticos, por serem muito finos e conter micro pedaços de pele dos animais e poeira, podem irritar a mucosa do nariz, dando início a uma crise de rinite alérgica.

5.      Produtos químicos: produtos químicos como, perfumes doces ou amadeirados, desinfetantes de limpeza e até cloro de piscina, são altamente alérgenos para todas as pessoas, mas no caso de histórico de rinite alérgica, o simples fato de um cheiro ser mais forte pode desencadear a crise.

Como é feito o tratamento

O tratamento para rinite alérgica deve ser orientado pelo alergologista ou clínico geral, de acordo com a intensidade e frequência dos sintomas. Nos casos leves e moderados, o tratamento inicial consiste no afastamento das substâncias alérgicas. Já nos casos mais graves, pode ser necessário o uso de remédios anti-histamínicos, como desloratadina ou cetirizina, para diminuir a alergia e reduzir os sintomas da rinite.

Opção de tratamento natural

O tratamento natural para rinite alérgica é interessante principalmente nos momentos de crise, podendo ser usado para complementar o tratamento indicado pelo médico. Uma opção é a lavagem nasal com soro fisiológico ou com 300 ml de água mineral e 1 colher (chá) de sal. Para isso, basta inspirar um pouco desta mistura, fazer uma pequena massagem no nariz e depois cuspir tudo.Além disso, inspirar o vapor do chá de eucalipto antes de dormir, também pode evitar o aparecimento dos sintomas no dia seguinte.

Como evitar a rinite alérgica

•       Remover poeira de móveis ou chão apenas com pano úmido, evitando usar espanador ou vassoura;

•       Evitar cortinas, carpetes, tapetes, almofadas e outras decoraç ões que acumulem poeira;

•       Manter o ambiente arejado para diminuir a proliferação de ácaros e fungos;

•       Usar máscaras durante a limpeza de armários, estantes e guarda roupas;

•       Usar produtos com perfume neutro, para limpeza e higiene pessoal com perfume neutro;

•       Trocar as roupas de cama uma vez por semana, e deixar o colchão no arejar no sol;

•       Evitar estar ao ar livre em dia com muito vento, principalmente na primavera e outono.