Secretaria de Desenvolvimento Econômico e SESI/SENAI fazem visita técnica ao Pinho de Baixo

O objetivo é oferecer apoio para que os produtores possam ampliar a produção de vinhos e sucos de uva na região

SECOM

Representantes da Secretaria de Desenvolvimento Econômico e do Sistema S, que envolve o Serviço Social da Indústria (Sesi) e o Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI), fizeram uma visita técnica à comunidade do Pinho de Baixo com o objetivo de oferecer apoio para que os produtores possam ampliar a produção de vinhos e sucos de uva na região.
As entidades, representadas pelo secretário de Desenvolvimento Econômico, Marcelo Rodrigues, e Rafael Ruteski, do SESI/SENAI de Irati, foram até a propriedade de Luiz Alcione Cosmos, conhecer um pouco mais do trabalho da vinícola para auxiliar na melhoria do processo de gestão dos produtos.
Rodrigues ressalta que é preciso encontrar alternativas para a situação da economia no ‘pós-pandemia’. “No momento, não podemos ficar parados, esperando que algo aconteça. Temos que dar resultado. Precisamos estar preparados, e acredito que, com este trabalho, iremos crescer e Irati poderá se tornar referência, como a “terra da uva””, frisou.
“O SENAI dará apoio que a família de produtores possa encontrar uma alternativa para aumentar a produção e o custo ficar menor, até para que eles possam entrar na demanda de mercado, competindo com as demais marcas. O nosso foco, por meio da Prefeitura, é de dar este atendimento e estar à disposição porque nós acreditamos nesta vinícola Cosmos”. O secretário relata que, consequentemente, a empresa poderá abrir um campo de vagas de emprego.


Fortalecimento estratégico


Rafael Ruteski, representante do SESI/SENAI em Irati, destacou que o papel da entidade é ajudar a indústria brasileira a se fortalecer. Para isto, foi criado, em parceria com o Governo Federal, o programa “Brasil Mais”. “Este programa coloca um estudo técnico, científico e produtivo dos processos industriais, analisando todo o método, desde a concepção do produto até sua venda, propriamente, dita. O papel do SENAI, neste sentido, seria analisar, desde a qualidade do produto, como é o processo de produção do vinho, como isto pode ser melhorado nos aspectos de aumento da produtividade e de manutenção da qualidade com um menor custo. Desta forma, ajudamos a indústria e o produtor a se desenvolverem e a alcançarem um mercado ainda maior”, pontuou.
A propriedade da família, produz, anualmente, cerca de 50 mil litros de vinho e três mil litros de suco de uva. E, uma das alternativas que também pode ser colocada em prática é o reaproveitamento do que sobra das frutas.
O produtor Luiz Alcione Cosmos, comenta sobre o desejo da família em ampliar a produção e passar a industrializar, além do vinho, sucos de uva. “Vamos em busca de novas tecnologias para dar crescimento e agilidade na produção. Com isto, queremos expandir o comércio de vinhos e sucos dentro da comunidade do Pinho”, frisou o produtor do Pinho de Baixo.


Incentivo ao turismo

Com o fortalecimento da cadeia produtiva da uva, o turismo e o comércio serão beneficiados. “O Pinho de Baixo, que já tem uma história em relação ao turismo, está, agora, com pavimentação – o que melhorou, significativamente, o acesso à comunidade. Acredito que o Pinho de Baixo irá se tornar uma referência para Irati e toda a região”, destaca Marcelo, que o crescimento e desenvolvimento deste segmento.
Cerca de 80% do vinho produzido no Pinho é comercializado em Irati. Entretanto, pessoas de outras cidades, como Curitiba, também adquirem a bebida produzida na comunidade. Para Cosmos, a ascensão do turismo no Pinho irá colaborar com a expansão da empresa. “É um nicho que vai crescer muito. Pensamos em construir um local apropriado para receber os turistas e expor nossos produtos, pois isto ajuda a alavancar o turismo na nossa região”, finalizou.

Foto: Secom