“Superlua Rosa”: astronautas fotografam o fenômeno a partir da Estação Espacial

Se uma imensa lua cheia já é algo bonito vista da Terra, já imaginou como deve ser vista do espaço?

Na segunda-feira (26) tivemos a “Superlua Rosa”, fenômeno que acontece quando a Lua está cheia exatamente no ponto de sua órbita em que está mais próxima da Terra. Isso faz com que ela pareça um pouco maior no céu, especialmente quando vista em contraste com objetos no horizonte como árvores e prédios.

Se uma imensa lua cheia já é algo bonito vista da Terra, já imaginou como deve ser vista do espaço? Para matar a curiosidade, o perfil oficial da Estação Espacial Internacional no Twitter publicou quatro fotos da lua feitas por astronautas a bordo.

O contraste com a fina camada de nossa atmosfera e as nuvens abaixo torna as imagens ainda mais impressionantes. A última foto é especial: feita quando a estação estava no lado noturno do planeta, ela mostra a lua brilhando em um céu salpicado de estrelas, com o tênue brilho de nossa atmosfera (chamado “airglow“) abaixo.

Vale mencionar que apesar do nome “superlua rosa” (Super Pink Moon) nos EUA, a Lua não tem uma cor diferente durante o fenômeno. O nome vem de tribos indígenas que marcavam a passagem do tempo pelas luas cheias. Cada uma tinha um nome específico, e a de abril é “rosa” porque surge na mesma época que as flores róseas da Phlox Subulata, uma planta selvagem norte-americana.

Teremos mais superluas neste ano?

Segundo o astrólogo Richard Nolle, que cunhou o termo em 1979, uma “superlua” é qualquer lua cheia que ocorre enquanto a Lua está a 90% ou mais de sua maior aproximação da Terra, o chamado Perigeu. Isso faz com que ela pareça até 15% maior e 30% mais brilhante do que o de costume.

O perigeu acontece regularmente a cada 28 dias. Entretanto, a ocorrência da Lua cheia no momento exato é mais rara. Em 2021 isso só acontece duas vezes, nesta segunda-feira (26) e em 26 de maio, quando a Lua estará ainda mais próxima de nós.

Apps dão uma forcinha

Para saber o momento exato do pôr do sol em sua cidade, basta perguntar ao Google: “OK Google, quando o sol vai se pôr hoje?”. Já para saber para onde olhar, basta usar um app de bússola.

Quem usa um iPhone não precisa de um app extra, basta usar o Bússola, que é parte do iOS. Para Android, uma boa opção é o Apenas uma bússola, da PixelProse SARL, que é bonito, simples, gratuito e, mais importante, sem anúncios.

Além da direção em que o celular está apontando, ele também indica o horário do nascer e do pôr do sol, sua altitude e até a intensidade do campo magnético próximo ao aparelho. Tudo isso em uma tela só.