Em reunião, prefeitos da região descartam lockdown

Encontro discutiu sobre medidas de alerta à população para o enfrentamento ao coronavírus

Nestes cinco meses de pandemia do novo coronavírus (Covid-19), várias medidas foram tomadas para o enfrentamento da doença na região, e prefeitos se reuniram na terça-feira (11), na sede da Associação dos Municípios do Centro Sul do Paraná (Amcespar) para discussão de novas medidas que podem ser feitas para todos, e descartaram a possibilidade de lockdown, neste momento.

Os prefeitos e prefeita, ou seus representantes, assim como as autoridades da saúde da região, participaram da reunião e discutiram o que pode ser feito para que os casos diminuam. “Nós ouvimos cada prefeito, suas queixas, erros e acertos e colocamos ideias, tirando da cabeça o lockdown que prejudicou bastante o pessoal, por um lado foi bom, por outro teve complicação. Nós vamos relatar diante desta reunião verificar o alerta, porque não temos mais leitos de UTI, pode ter o aparelho, mas também precisa da equipe de saúde para atender”, disse o presidente interino da Amcespar, Luiz Vanderlei Kawa.

O documento preparado pela associação, com a ajuda dos profissionais da saúde, traz os cuidados que já vêm sendo falado, como uso da máscara, álcool gel e distanciamento social, além de alertar sobre a responsabilidade humanitária, e principalmente sobre respeitar as medidas tomadas em cada município, pois cada órgão faz a sua parte, mas é preciso de uma cooperação de toda a população da região.

Uma das grandes preocupações dos prefeitos e, principalmente do setor de saúde, é em relação aos leitos para tratamento da Covid-19, tanto na Santa Casa de Irati, como em outros locais, pois, devido ao crescimento dos casos, pacientes da região continuam sendo encaminhados para Ponta Grossa, Campo Largo e Guarapuava. Ladislao Obrzut Neto, provedor da Santa Casa de Irati, explica que além dos casos de Covid-19, também houve aumento em outros casos que requerem o uso dos aparelhos utilizados para Covid-19. “Nós viemos discutir essa medida a nível regional da Amcespar, para que essa curva seja amenizada e cada município tome decisões mais ou menos iguais, para que essa curva possa diminuir e a gente possa ter tempo de tratar bem essas pessoas que nos preocupam“, disse o provedor.

O prefeito de Rio Azul, Rodrigo Solda, participou da reunião e disse que foi feito um alinhamento das medidas de prevenção. Solda também foi diagnosticado com a doença, mas já está recuperado. “A ideia é reforçar a prevenção, as medidas, cautelas para gente poder suportar toda esta situação crítica que ainda temos. A gente tem que continuar os cuidados, porque precisamos seguir a vida. O vírus está por ai, e demorou em chegar aqui, talvez por causa das medidas tomadas. A gente sabe que muitos já perderam a paciência estão sentindo falta das festas de capelas que frequentava, das reuniões e encontros, dos amigos que iam visitar, mas isso é pela nossa saúde, pela vida daqueles que podem ainda podem sofrer por causa do vírus”, comenta.  

Walter Trevisan, chefe da 4ª Regional da Saúde, também esteve na reunião para discutir sobre os assuntos relacionados à saúde e diz que este aumento que acontece nos casos já era previsto, devido à chegada do inverno, e que agora é importante o papel da sociedade no enfrentamento ao vírus. “Gostaríamos de nos manter em uma posição tranquila e confortável em relação ao vírus, mas não poderemos fazer isso sozinho, os profissionais de saúde gostariam que a população entendesse. Todos estão na linha de frente, seja na fiscalização, é de suma importância que as pessoas respeitem essas orientações”, comenta.  Trevisan também destaca que os próximos 45 dias serão cruciais para a situação do vírus na região.