Em três meses de gestão Secretaria de Obras foca serviços em solucionar pontos de atoleiro nas estradas rurais

Em três meses, as equipes buscam sanar os principais focos emergenciais de atoleiro, construção de pontes e recuperação de bueiro, para auxiliar a colheita dos produtores de grãos do município

Em janeiro deste ano, a Secretaria de Obras e Serviços Urbanos de Guamiranga, assumiu o pátio de máquinas com a missão de modernizar a frota, qualificar os serviços e organizar o quadro de funcionários da pasta. Logo no primeiro mês de trabalho, houve a precipitação de, aproximadamente, 100 mm de chuva, danificando as estradas rurais, tornando o foco inicial para serviços emergenciais.

Atualmente, o quadro dispõe de 15 funcionários e 12 máquinas, sendo três patrolas, quatro retroescavadeiras e cinco caminhões. “Estamos trabalhando para que em breve possamos adquirir maquinários novos, principalmente de caminhões para a recuperação das estradas e a realização de nossos serviços cotidianos. Vale ressaltar que essa busca por recursos e investimentos possui toda uma parceria com nossos vereadores, equipe administrativa e deputados para que isso aconteça”, explica o Secretário de Obras e Serviços Urbanos, João Blan de Oliveira Neto.

Em três meses, as equipes buscam sanar os principais focos emergenciais de atoleiro, construção de pontes e recuperação de bueiro, para auxiliar a colheita dos produtores de grãos do município. “Fizemos um levantamento recente para analisarmos os pontos críticos que necessitam de serviço e chegamos a um número de 50 km de estrada intransitável. As principais ainda dão pra passar, mas caso haja chuva e uso intenso em dois dias o pessoal já não passa por lá”, avalia João.

Após solucionar os problemas de pontos de atoleiro, a Secretaria buscará a melhoria a longo prazo das comunidades. “Ao lado desse serviço emergencial, já estamos arrumando a casa, verificando a situação dos nossos funcionários, analisando o uso e funcionamento de cada máquina. Agora, passando a safra de soja, já conseguiremos nos organizar melhor para que na próxima colheita não tenhamos tanta dificuldade e possamos escoar tudo com mais facilidade”, conclui João.