Vigilância Sanitária de Teixeira Soares orienta população sobre cuidados com o vírus da raiva

Na última semana foi confirmado em Teixeira Soares um caso de óbito em bovino decorrente da doença da raiva. A morte é um relato isolado na cidade

Na última semana foi confirmado em Teixeira Soares um caso de óbito em bovino decorrente da doença da raiva. A morte é um relato isolado na cidade. Diariamente a Secretaria de Saúde, através da Vigilância Sanitária e a Agência de Defesa Agropecuária do Paraná (ADAPAR) trabalham para que não haja surtos da doença viral.

O boi infectado pertencia a comunidade Che Guevara, nesta semana, equipes da Vigilância e ADAPAR percorreram o entorno da propriedade do animal infectado para realizar orientações sobre a importância do cuidado, acompanhamento e prevenção quando um animal apresentar sintomas virais.

A raiva é uma doença infecciosa que afeta os mamíferos causada pelo vírus que se instala e multiplica primeiro nos nervos periféricos e depois no sistema nervoso central e dali para as glândulas salivares, de onde se multiplica e propaga. Por ocorrer em animais e também afetar o ser humano, é considerada uma zoonose.

A transmissão dá-se do animal infectado para o sadio através do contato da saliva por mordedura, lambida em feridas abertas, mucosas ou arranhões. A raiva nas áreas urbanas tem como principal agente o cão, seguido pelo gato; em zonas silvestres, se dá principalmente por lobos, raposas, coiotes e nos morcegos hematófagos. Os sintomas incluem febre, dor de cabeça, salivação excessiva, espasmos musculares, paralisia e confusão mental.

Raiva em Teixeira Soares

Em Teixeira Soares, os números de casos são baixos. A orientação dos profissionais é para que cada produtor fique atento aos sintomas da doença em seu rebanho. “Quanto antes conseguirmos observar animais infectados, mais eficiente será nosso controle da doença. Nós orientamos para que todo o rebanho esteja sempre vacinado, além é claro com o controle de morcegos hematófagos que são os principais vetores dessa doença”, conta o médico veterinário da Vigilância Sanitária, Fernando Kuhn.

O último surto da doença ocorreu há oito anos, desde então, sempre no surgimento de um novo caso todas as medidas de prevenção são feitas. “Temos que ressaltar aqui também a efetividade das vacinas em todo o rebanho, quando aplicadas corretamente, além disso, o custo da aplicação é muito baixo comparado a tranquilidade que o produtor terá em seu rebanho”, completa Fernando.

Controle feito entre a parceria da Vigilância e ADAPAR

Basicamente a divisão do trabalho acontece da seguinte maneira: Animais de produção – ADAPAR; Animais domésticos – Vigilância Sanitária. O cuidado é redobrado, principalmente em um raio de 12km da propriedade que tenha um caso eventualmente diagnosticado.

Serviços da Vigilância Sanitária são feitos diariamente na cidade

Além do trabalho no controle de zoonoses, a vigilância sanitária possui outras atribuições em Teixeira Soares, como a castração de cachorros errantes, limpeza de fossa para famílias carentes, controle de qualidade de água onde não há tratamento da Sanepar e inspeção de todo o comércio local visando a veiculação de produtos de qualidade.

Atualmente, diante da pandemia do coronavírus, há uma grande concentração do trabalho para evitar a proliferação do vírus na cidade, com plantões para a conscientização da população em relação as normas da Organização Mundial da Saúde e a fiscalização sanitária em estabelecimentos da cidade.