Ciclistas de Irati mostram amizade e companheirismo em cada pedalada

Modalidade ganha adeptos a cada ano e há muitos atletas e também os que admiram o cicloturismo

Jaqueline Lopes

O ciclismo vem ganhando muitos adeptos nos últimos anos em Irati. Uma demonstração disso é a equipe de cicloturismo “Turma do Pedal”, que já conta com mais de 150 participantes. Em turmas, eles desbravam Irati e municípios da região em diversas rotas, principalmente na área rural.

A ideia começou em 2021, quando ainda estava na pandemia. Criaram um grupo no WhatsApp e iniciaram pelas ruas urbanas. “O nosso objetivo era não surtar, e era uma maneira de cuidar da mente, do espírito, do corpo e saímos pedalar. Fomos fazendo novos amigos e fortaleceu. Hoje, a turma do Pedal de Irati é uma família”, comenta uma das fundadoras, Claudia Fagali.

 Pedalando, fazem rotas com a natureza, trilhas, Mountain Bike, vão para o Pinho, Rio Corrente, e demais locais de Irati, além disso, já foram para Fernandes Pinheiro, Rebouças, Imbituva, Rio Azul e São Mateus do Sul. Não há um horário especifico, montam a rota, jogam no grupo e qualquer um pode ir. Geralmente, vão em 10 a 20 ciclistas. 

Uma das ciclistas do grupo é a Nelci Wolski, ela conta que foi satisfatório iniciar com a Turma, pois ampliou as amizades, faz uma atividade física, cuida da saúde mental e melhora a qualidade de vida em geral.  “Isso não tem preço, e toda rota traz o seu desafio, mas também seu benefício, e a possibilidade de melhorar o condicionamento físico”, destaca.

Izabel Soares de Andrade Jorge, que faz parte da Turma do Pedal, comenta que sempre gostou de atividade física e da natureza e encontrou no ciclismo uma forma de unir tudo isso. Para ela, há duas rotas que ficaram marcadas, a da Lua Cheia e da Estrada da Graciosa.  “É feita na primeira noite de lua cheia, na primeira vez, chegamos ao topo e ninguém conseguiu enxergar, de repente a lua surgiu imensa”. Já o pedal da estrada da Graciosa não é pelo caminho tradicional, mas dentro da mata, em uma trilha em que só é possível de bicicleta. “Foi incrível”, completa.

O ciclista Jonathan Andrey Vacari da Rocha está no grupo há um ano, e há três pedala, e começou por causa da saúde. Ele conta que antes do pedal chegou a pesar 105 quilos, e agora chegou aos 75 quilos, sem dieta. “O pedal auxilia bastante na questão da saúde. Aprendi gostar do interior e da natureza com essa turma”, disse.

“O nosso grupo tem como base o companheirismo, ajuda para quem está iniciando, aquela palavra amiga, aquele incentivo, tanto que nós não somos atletas, não é por velocidade, temos aquele “vamos todos juntos”. Todo mundo é bem-vindo ao nosso grupo”, enfatiza Claudia. 

Esporte

O ciclismo como esporte também é algo presente em Irati. Uma das equipes que sempre representa o município é a Pirubike, que já tem 30 anos de estrada. Segundo o fundador, Marcio Razera, foi em 1992 que iniciaram com dois atletas disputando em Antonia. A equipe já esteve em oito estados representando Irati e já estiveram na Argentina, no Panamericano de Mountain Bike, em 2013. 

Equipe do Pirubikes representa Irati em várias competições | Foto: Reprodução

Razera acredita que a equipe já deve ter participado de quase mil provas, em circuitos nacionais, estaduais e regionais. Hoje, são 20 ciclistas atuantes. A equipe do Pirubikes já percorreu Minas Gerais, Rio de Janeiro, Santa Catarina, entre outros estados, carregando a bandeira de Irati. “Temos uma equipe que representa muito bem, onde vamos e falamos que somos de Irati, já é lembrado pelo Mountain Bike da cidade. É um nome respeitado dentro do estado e a nível nacional”, comenta Marcio.

Ciclista de Irati

Marcelo Augusto Pabis também é um ciclista de Irati, mas não faz parte de equipe. Desde pequeno gostou de bicicleta, e a primeira competição foi em 2000, em Irati, na categoria Junior. Ele ficou alguns anos sem competir, mas voltou em 2016 e não parou mais. Ele acredita que já participou de mais de 150 provas. No ano passado, foi campeão paranaense de XCO e XCM na categoria master B1 (40-44anos).

O que mais pratica é a modalidade de MTB marathon (xcm), que acontece em estradas rurais e as distancias variam de 50 a 100 km. Para ele, a prova que mais marcou foi o Desafio da Serra do Rio do Rastro, em 2021, em que conseguiu ser o campeão geral na categoria MTB.

Marcelo Pabis é um ciclista de Irati que pratica o marathon | Foto: Reprodução

 “No final das contas, a cada fim de prova, a sensação de felicidade ao cruzar a linha de chegada sempre é a mesma. Para mim, competir com os outros atletas sempre é um aprendizado a mais, e ainda por fim o esporte nos proporciona grandes amizades. Sinto muito orgulho por levar o nome da nossa cidade nas competições afora e trazer bons resultados. Irati tem, e sempre teve, grandes ciclistas; fazer parte dessa história é um privilégio”, conclui Marcelo. Em agosto, ele estará participando do Campeonato Brasileiro de XCM em Castro Alves, na Bahia.