Comunidade realiza primeiro café colonial do Pinho de Baixo

Além disso, também houve a exposição de artesanatos

Redação

Na semana passada, algumas moradoras do Pinho de Baixo realizaram o primeiro evento de café colonial, juntamente com a feira de artesanatos, na localidade. A iniciativa surgiu após a realização dos cursos de Turismo Rural e Mulher Atual, do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (SENAR), no qual as participantes tiveram como desafio, na conclusão dos cursos, realizar o evento.

O café foi sediado na casa de uma das participantes dos cursos e também moradora do Pinho de Baixo, Tereza Inês Zanlorenzi. De acordo com ela, no café com feira foram feitos pratos típicos coloniais da região como bolos, tortas salgadas, pastéis (incluindo o de bambu), além dos sucos concentradas de uva, limão e couve com limão, e também a venda de produtos artesanais na feira, como por exemplo, vinhos, doces, pães e macarrão.

A moradora do Pinho destaca que “estamos pensando em continuar com a ideia do café, realizando ele no período da tarde e, de início, uma vez por mês. Quem quiser participar deve fazer a reserva antecipada. Para nós do Pinho, sediar esse café é uma satisfação muito grande”.

O prefeito de Irati, Jorge Derbli, prestigiou o café no Pinho de Baixo. Derbli afirma que o Pinho já tem uma tradição, pela festa, pelo vinho, pela polenta e que agora também com o café colonial. “Hoje saboreamos um delicioso café colonial com muita coisa gostosa, convido a todos para vir saborear esse café. Essa localidade é um polo turístico que está se solidificando. A questão do turismo rural, com a pavimentação, vai melhorar muito o acesso das pessoas para conhecer a localidade. Estamos buscando junto ao Governo conseguir o terreno onde está a cachoeira, a ideia da ciclovia da BR 277 até a igreja do Pinho, enfim vários investimentos acontecerão”.

O deputado federal, Evandro Roman, também participou do café no Pinho. Roman tem uma ligação forte com a comunidade porque é de autoria dele as emendas que destinavam ao Pinho a pavimentações. De acordo com ele, a relação que tem com a comunidade transpõe a política, sendo assim, uma relação de amizade e confiança. 

Segundo Roman, no total chegará a cerca de R$11 MI em recursos destinados à pavimentação na comunidade. “Essa parceria vai dando certo e juntamente com o prefeito Jorge, lutamos por esses recursos. Estamos elaborando a 3º etapa da construção desse asfalto, já com a liberação da 4ª etapa. Eu tenho certeza que vamos fazer a liberação de muitas obras aqui porque é uma comunidade que sempre nos acolheu bem e tem uma vocação própria”, destaca. 

Além disso, o deputado ainda comentou sobre o café: “é muito bom estar participando desse primeiro café que nos dá uma sensação muito boa porque sempre acreditamos nessa comunidade, nesta região”. 

Roman falou ainda que existem diversos projetos a serem realizados como a ciclovia, a legalização da cachoeira, entre outros, até mesmo em outras comunidades que já estão sendo analisadas por ele e pelo prefeito. “Quando você traz a infraestrutura, as outras coisas vão surgindo naturalmente”, finaliza.

Joelma Kapp foi instrutora dos cursos do SENAR para a comunidade do Pinho. Segundo ela, nos cursos de Turismo Rural e Mulher Atual são trabalhados vários aspectos e pilares para desenvolvimento pessoal, a autoestima, empreendedorismo e sustentabilidade. No programa mulher atual. “A gente veio agregar mais conhecimentos e desenvolver o potencial na comunidade tanto na área de gastronomia como também um potencial natural, um recurso turístico”.

Conforme a instrutora, o primeiro treinamento que as turmas fizeram foi na área de turismo e oportunidades de negócios, em seguida o de acolhida no meio rural, comandando e organizando a cozinha rural, serviço e restaurante rural. “Onde se cria uma bagagem de conhecimento para a atividade. Para receber o turista, arrumar um café, como colocar uma mesa. Um trabalho bem completo e amplo na área de desenvolvimento do turismo rural”, explica.

Joelma também conta que algumas pousadas já estão sendo criadas na comunidade para atender os turistas. Para ela, esse é um potencial que estava adormecido, mas o pessoal era muito inseguro e tinha medo. Nós viemos para apoiar e mostrar que é possível desenvolver o turismo, desde a área de pousada até a gastronomia, para que o turista venha e possa passar o final de semana com todo o atendimento”.

Rozenilda Bárbara é uma das incentivadoras do projeto no Pinho de Baixo e acredita que é preciso aproveitar todo o potencial dessa comunidade. Rozenilda conta que no curso Mulher Atual as participantes sempre levavam pratos culinários e quando veio a proposta da ação empreendedora esse quesito foi considerado já que, segundo ela, “todas são muito preparadas para trabalhar com a gastronomia”. 

A incentivadora do projeto ainda afirma que estava defendendo há muito tempo o Pinho como um atrativo turístico e que agora a comunidade já está recebendo pessoas de outros países. “O trabalho de agora em diante é manter o ritmo, manter as atividades em expansão para que elas possam se consolidar como produto. Várias famílias estão se integrando e não tem como sair esse trabalho sem esse esforço conjunto”. 

Rozenilda comentou sobre a importância dos cursos. “É como se você tivesse lapidando um diamante bruto que você encontrou o brilho. Então essas mulheres despertaram para a liderança nata que essa mulheres tem e que estava adormecida. Os cursos são sempre os espaços para que tenhamos capacitação para fazer mudanças nas nossas vidas”, pontua.

Ela ainda falou que é muito significativo o olhar do poder público sobre a comunidade porque. “Vemos a importância tanto do olhar do município, do governo federal e também do SENAR. Todas essas organizações auxiliam no desenvolvimento local, todas as parcerias são válidas”.

Carmem Lucia Soldan, vice-presidente do sindicato rural, é que tem o trabalho de trazer os cursos para a comunidade. “Eu ofereço os cursos para os moradores da comunidade. Fizemos quase todos os da rota do turismo do princípio até as trilhas, estamos qualificando quase todos os moradores daqui com muito empenho para o pessoal buscar essa qualificação”, afirma.

Massud Jafari, nascido no Irã e morador atualmente de Curitiba, esteve no Pinho de Baixo passando o final de semana e aproveitando a estrutura das pousadas.Massus participou do café colonial que foi servido. Ele avalia a qualidade dos serviços apresentados: “aqui foi excelente, todas as coisas que nós esperávamos em uma comunidade rural encontramos. Melhor qualidade de queijos, tudo que eu comi aqui estava muito gostoso. Essa foi a primeira vez que chegamos aqui perto e nós adoramos. É um lugar que você se sente bem, se sente em casa”, destaca.

O encontro foi sediado na casa de uma das participantes – Foto: Rozenilda Bárbara