Reunião com prefeitos da região discute dificuldades no setor de saúde

Uma das principais pautas foi o repasse de verbas para a Santa Casa de Irati

Esther Kremer

Na manhã de terça-feira (12), aconteceu na sede da Amcespar, em Irati, uma reunião com os prefeitos e com o Consórcio Intermunicipal de Saúde (CIS/Amcespar), a pedido do provedor da Santa Casa de Irati, Dr. Ladislao Obrzut Neto,para discutir a situação financeira do hospital e pautas envolvendo o setor de saúde.
Durante a reunião, foram apresentadas as dificuldades financeiras que o hospital está passando com repasse de verbas dos municípios. Além deste assunto, os presentes discutiram a falta de profissionais na 4ª Regional de Saúde e a permanência das consultas oncológicas no Centro de Saúde Erasto Gaertner de Irati.
A prefeita de Fernandes Pinheiro e presidente do CIS/Amcespar, Cleonice Schuck, esteve presente na reunião e explicou os temas discutidos. “Nós fomos procurados pela Santa Casa, pelo diretor Sidnei e pelo provedor Ladislao, para que nos repassassem as dificuldades financeiras em manter o hospital e a necessidade de ajuda dos prefeitos em buscar, junto ao Governo Federal e Estadual, recursos para reajuste das verbas”, disse.
Segundo Cleonice, os municípios entraram em um acordo para ajudar o hospital, vão discutir ideias e tentar viabilizar um recurso mensal de, aproximadamente, R$ 360 mil para os plantões. Também, foi discutido um aporte para compensar o Programa Opera Paraná, que, segundo a prefeita, chega em custo menor para os municípios e “por alegação da Santa Casa não comporta o atendimento e o gasto. O custo das cirurgias se torna bem mais alto e, assim, continua em prejuízo”, disse Cleonice.
O provedor e médico da Santa Casa de Irati, Dr. Ladislao Obrzut Neto, foi um dos responsáveis por levar as reivindicações até os prefeitos,.Segundo o mesmo, este não é um problema somente de Irati, mas, sim, de todo o Paraná.
Uma das maiores preocupações do médico é o aumento no piso salarial dos profissionais da enfermagem, Obrzut explica que será um momento difícil visto que o hospital não terá recursos para manter os valores estimados. “Estamos em uma situação muito preocupante, vai trazer um custo muito grande e nós não recebemos verba o suficiente, estamos a quase 10 anos sem nenhum reajuste por parte do pagamento do SUS”, disse.
Segundo o provedor, 92% das consultas feitas na Santa Casa são pelo SUS e apenas 8% são de exames e consultas particulares, desta forma, o repasse de verbas teria que ser no mesmo valor, mas o reajuste não acontece. “Estamos no prejuízo e por este motivo nós pedimos ajuda dos prefeitos. Caso esse reajuste não aconteça, eventualmente, a Santa Casa vai acabar fechando, porque não tem verba”, explica.
Para finalizar o assunto, os prefeitos entraram em acordo comum de estudar melhores possibilidades para ajudar o hospital com os altos custos. “Escutei dos prefeitos que eles vão nos ajudar e fiquei mais tranquilo”, disse Ladislao.
Outras pautas
A prefeita Cleonice também comentou sobre a falta de profissionais na 4ª Regional de Saúde e a urgência em manter as consultas oncológicas no Centro de Saúde Erasto Gaertner de Irati. “São pautas urgentes e estamos trabalhando para resolvê-las. Acreditamos na sensibilidade do governador, é um direito dos nossos pacientes essas melhorias”, finaliza.