Força-tarefa em Irati visa fiscalizar cumprimento do decreto

São 120 pessoas nos estabelecimentos observando as normas vigentes

Começou na quarta-feira (10) a força tarefa em Irati que visa a orientação e fiscalização do novo decreto municipal que está em vigor e vai até o dia 17 de março, em todos os estabelecimentos comerciais, do Centro e nos bairros. A ação é mais uma medida para conter o avanço da Covid-19 no município.  

São 120 pessoas de vários setores da Prefeitura como a Guarda Municipal, o Iratran, Agentes Comunitários de Saúde, Vigilância Sanitária, o Conselho Tutelar, COEF e Agentes da Dengue, além disso, a Polícia Militar também presta apoio durante o dia e principalmente à noite, no cumprimento do toque de recolher que é das 20h às 5h do dia seguinte.  

"Essa fiscalização vai estar ativa a partir de agora, para a gente tentar sensibilizar as pessoas, porque na Santa Casa Irati, nós não temos vaga pra ninguém”, alerta o prefeito Jorge Derbli. 

Derbli fez uma apresentação inicial dos trabalhos dos agentes antes de começar a força-tarefa. Foto: Agostinho Basso

Os colaboradores dos setores citados acima estão devidamente uniformizados e identificados, conversarão com o proprietário do estabelecimento e vão observar se as normas do decreto são seguidas, como presença de aglomeração (de acordo com a capacidade de público), dispõe de álcool gel suficiente, as filas, presença de menores de 12 anos, uso da máscara, entre outros.  

Os agentes de endemias e os comunitários farão a fiscalização na Vila São João, Engenheiro Gutierrez, Riozinho, Lagoa e Rio Bonito. Já o Iratran será em toda a região central. A Vigilância Sanitária visitará todos os grandes supermercados, mercearias, açougues. O Conselho tutelar vai participar na fiscalização da entrada de crianças menores de 12 anos, e também nas quadras esportivas, principalmente nos bairros, onde houve várias denuncias

  "Nós estamos com essa fiscalização para que as pessoas fiquem cada vez mais seguras, e deter a contaminação do coronavírus. Porque se o contágio não for contido, infelizmente, nós estamos de mãos amarradas".

  Jorge Derbli

Os agentes irão fiscalizar em um dia, farão a orientação e no outro dia ou no mesmo, voltam para ver se tudo que foi apontado foi cumprido. Caso não tenha sido cumprido, a Guarda Municipal (GM) é acionada e fará a atuação. “A função da GM é fazer valer o decreto, a diferença é que tem o poder de multar, se caso a pessoa venha persistir no erro. Nossa intenção não é multar, arrecadar dinheiro, mas sentimos que algumas poucas pessoas ainda relutam em não cumprir o decreto”, explica Edson Luis Elias, secretário de Segurança de Irati.  

Os dois primeiros dias da força tarefa foram tranquilos, de acordo com o secretário. “Os funcionários agradeceram, porque todo mundo está sujeito a contrair. Precisamos cuidar de nós e dos outros, o prefeito sempre fala isso. Está todo mundo aplaudindo essa atitude do Jorge e agradecendo”, disse o secretário.  

O prefeito acrescenta que a força tarefa montada é para conter o avanço do vírus. “Nós estamos com essa fiscalização para que as pessoas fiquem cada vez mais seguras, e deter a contaminação do coronavírus. Porque se o contágio não for contido, infelizmente, nós estamos de mãos amarradas. Tudo o que nós temos condições, nós estamos fazendo, mas não conseguimos atender a todos”. 

Diante da situação de colapso que Irati enfrenta, com 20 pacientes internados e cinco à espera de leitos, o coordenador do COEF, enfermeiro Agostinho Basso, enfatiza a importância da fiscalização. “O objetivo é estar presente, para observar de fato se esta sendo seguido o decreto em vigência nos cuidados gerais. No primeiro momento será orientada, e depois vai ter a notificação”, observa.  

A força-tarefa continua também neste sábado e domingo, e acontece até quarta-feira (17), das 9h às 20h pelos agentes. Depois deste horário, a Polícia Militar, junto da Guarda Municipal, faz a fiscalização do decreto estadual no cumprimento horário do toque de recolher.